//periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/entreacoes/issue/feed EntreAções: diálogos em extensão 2020-10-06T18:43:13+00:00 Ricardo Aladim Monteiro revistaentreacoes.proex@ufca.edu.br Open Journal Systems <p style="text-align: justify;">A <strong>Revista EntreAções: diálogos em extensão</strong> é um periódico vinculado a Pró-Reitoria de Extensão (Proex) da Universidade Federal do Cariri (UFCA) com a finalidade de divulgar projetos de extensão realizados por instituições de ensino superior brasileiras e estrangeiras, buscando assim promover o diálogo entre a academia e a sociedade por meio de publicações nas mais diversas áreas do conhecimento.</p> <p style="text-align: justify;">A Revista EntreAções é publicada <strong>semestralmente</strong> e os trabalhos podem ser submetidos a qualquer momento (fluxo contínuo), como artigos, relatos de extensão e entrevistas.</p> <p style="text-align: justify;">Já disponível!&nbsp;</p> //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/entreacoes/article/view/552 Expediente 2020-07-25T17:05:59+00:00 Hemerson Sores da Silva hemersonhsn@hotmail.com 2020-07-15T20:35:04+00:00 Copyright (c) 2020 Hemerson Sores da Silva //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/entreacoes/article/view/553 Tecida a fios de ouro 2020-09-18T17:05:47+00:00 Fabiana Lazzarin fabiana.lazzarin@ufca.edu.br Ricardo Aladim Monteiro ricardo.aladim@ufca.edu.br <p><span style="font-weight: 400;">A revista EntreAções: diálogos em extensão publica seu primeiro número, sendo delicadamente tecida a fios de ouro há vários anos pela Pró-reitoria de Extensão da Universidade Federal do Cariri a fim de que o rico imaginário do enrolar e fiar em processo contínuo de torção e extensão levasse a concepção de artigos, relatos de experiência e entrevistas que ganhariam o deleitável contorno deste periódico na área da Extensão Universitária. Este número abre com a entrevista da Bibliotecária Suely Clemente&nbsp; sobre o identificador digital persistente para autores “ORCID”, na capa traz uma foto de Constance Pinheiro, em sua série “Paus”, Barbalha-CE, 2018.</span></p> 2020-07-15T20:42:35+00:00 Copyright (c) 2020 Fabiana Lazzarin, Ricardo Aladim Monteiro //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/entreacoes/article/view/555 Conversando sobre o identificador digital persistente para autores 2020-10-06T18:43:13+00:00 Suely de Brito Clemente Soares suelybcs@contentmind.com.br Ricardo Aladim Monteiro ricardo.aladim@ufca.edu.br Fabiana Lazzarin fabiana.lazzarin@ufca.edu.br <p>Com o passar dos anos e o surgimento de novas tecnologias, as publicações científicas evoluíram e passaram da forma impressa para a eletrônica, essa evolução trouxe novas formas de identificação tanto para os periódicos como para os autores. Para identificar os periódicos existe o Digital Object Identifier (DOI) e para identificar os pesquisadores surgiu em 2012 o Open Research and Contributer ID (ORCID). Com o objetivo de apresentar de forma clara este identificador pessoal, entrevistamos a professora Mestre Suely de Brito Clemente Soares, uma das referências na área. Suely é sócia administradora da empresa Content Mind Capacitação Profissional.</p> 2020-07-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Ricardo Aladim Monteiro, Fabiana Lazzarin //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/entreacoes/article/view/405 Projeto Educação Patrimonial 2020-09-18T17:10:00+00:00 Barbara Almeida Oliveira barbaralmeidaoliveira@gmail.com Polliana de Luna Nunes Barreto polliana.luna@ufca.edu.br <p>O presente estudo tem como objetivo discutir as relações entre as práticas educativas e a educação patrimonial compreendida como um elemento fundamental no processo de valorização e preservação dos bens materiais e imateriais de uma comunidade. Entende-se através da literatura explora (ALBUQUERQUE, 2012; FLORÊNCIO, 2012; HORTA; GRUNBERG; MONTEIRO, 1999; FONSECA, 2012; GRUNBERG, 2007) que as discussões em torno do Patrimônio Cultural no espaço escolar possibilita gerar nos sujeitos as ideias de pertencimento a comunidade, a memória e a história, perpassando os processos de apropriação por parte dos educandos da cultura. Nesse sentido, este estudo tem como objetivo expor o mapeamento das atividades em torno da educação patrimonial desenvolvidas pelas escolas de ensino básico de nível médio do município do Juazeiro do Norte. Utilizando-se de uma abordagem qualitativa defendida por Minayo et al. (2011) nas fases exploratória (pesquisa bibliográfica) , trabalho de campo (visita às escolas, orientadas pelas questões sobre ações/atividades desenvolvidas em torno da educação patrimonial) e análise documental (cruzamento das informações coletadas nas fases anteriores). Diante do exposto no decorrer desse estudo, é possível considerar a necessidade de se pensar formas de inserção de tais discussões em suas práticas cotidianas, uma vez que das oito escolas analisadas, apenas três possuem ações realizadas de forma contínua através de disciplinas eletivas. Experiência que revelam que a educação patrimonial compreendida como um elemento fundamental no desenvolvimento de vínculos entre educandos e o patrimônio cultural de seu(s) espaço(s) não se caracteriza como uma realidade nas práticas educativas do ensino formal no <em>locus</em> investigado.</p> 2020-07-15T20:53:38+00:00 Copyright (c) 2020 Barbara Almeida Oliveira, Polliana de Luna Nunes Barreto //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/entreacoes/article/view/408 Contribuições das atividades de extensão na formação de alunos de um curso de Administração Pública 2020-09-18T17:12:19+00:00 Beatrice Correa de Oliveira beatricecoliveira@gmail.com <p>Este trabalho objetiva identificar competências necessárias à formação profissional em Administração Pública, além de compreender como a participação em projetos de extensão universitária pode contribuir com a trajetória formativa dos estudantes. O recorte observado foi de estudantes do curso de administração pública da Escola de Governo da Fundação João Pinheiro, que participaram do projeto "Fica Ativo! Repensar". Aplicou-se um questionário aos participantes do projeto entre 2014 e 2018. Foi possível perceber, assim, que os alunos, em sua maioria, afirmaram que o projeto possibilitou a obtenção de novos conhecimentos, principalmente nas áreas de arte e cultura e de políticas públicas, além de auxiliar na percepção da complexidade dos problemas públicos, e o desenvolvimento de habilidades interpessoais e de trabalho em equipe.</p> Copyright (c) 2020 Beatrice Correa de Oliveira //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/entreacoes/article/view/445 A Contabilidade na relação interdisciplinar 2020-09-18T17:14:04+00:00 José Raimundo Lima zeraimundo@uefs.br Carolaine Santana dos Santos carolainesantana15@outlook.com <p>Este trabalho objetiva refletir sobre a possibilidade de criação de um instrumental de controle para sanar as necessidades das iniciativas de economia popular e solidária em gerir seus fluxos de caixa e de organizar os registros das receitas e despesas incorridas durante determinado período. Com efeito, informações qualitativas e quantitativas que representem a realidade dessas tipologias organizativas são fundamentais para que as associações autogestionárias e outras tipologias desenvolvam suas ações de controle e organização. A pesquisa foi desenvolvida a partir da observação da rotina de trabalho dos grupos autogestionários. As análises foram feitas com base na metodologia de pesquisa-ação, conforme Thiolent (2011), visando observar o que atualmente está sendo aplicado, enquanto instrumentos de elaboração para pensar o controle dos fluxos de caixa, e como esses registros são organizados até o período em que serão divididas as sobras. Inferimos, portanto, como resultados desta pesquisa, além da relevante contribuição para a relação universidade/sociedade, a possibilidade, ainda que em processo, de contribuir de forma direta para sanar as necessidades das iniciativas de economia popular e solidária em gerir seus fluxos de caixa e de organizar os registros das receitas e das despesas incorridas durante determinado período. Nesse sentido, destaca-se a relevância que as informações coerentes possuem nessas organizações para fundamentar a tomada de decisões. Com efeito, observou-se uma predisposição e disponibilidade do grupo em compreender cada instrumento sugerido, bem como de perceber sugestões de grande valia para a organização dos controles necessários para a boa autogestão econômico-financeira da atividade desenvolvida no projeto.</p> 2020-07-15T21:02:25+00:00 Copyright (c) 2020 José Raimundo Lima, Carolaine Santana dos Santos //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/entreacoes/article/view/455 Jogos educativos na aprendizagem dos alunos disléxicos 2020-09-18T17:29:45+00:00 Thais Faustino Bezerra thaisfaustino00@gmail.com José Wellington Macêdo Viana wellingtonmacedo1819@gmail.com Viviana Freitas Araújo viviana-araujo@outlook.com José Freitas Araújo jfreitasa19@gmail.com Joana Darc Costa Silva Bezerra joana26free@gmail.com Antônio Carlito Bezerra dos Santos carlito.santos@urca.br Rosa Carolline de Alencar rosacarolline@hotmail.com <p>Nesse relato de experiência é discutido sobre a dislexia, um transtorno na aprendizagem caracterizado por dificuldades na correção e/ou fluência na leitura de palavras e por baixa competência leitora e ortográfica. Para minimizar estas e outras dificuldades associadas à dislexia, torna-se necessário o repensamento das práticas de ensino-aprendizagem no contexto escolar, envolvendo não só os disléxicos, mas também os professores e a comunidade escolar em geral. Nesta perspectiva, o uso de jogos educativos em sala de aula torna-se alternativa viável para potencializar a exploração e construção do conhecimento, uma vez que conta com a motivação interna, típica do lúdico, e possuir uma enorme relevância para o seguimento do método de conseguir habilidades internas e externas do conhecimento, permitindo ao aluno disléxico ter uma visão diferente para compreender o que é abordado em sala. Diante do exposto, este estudo objetivou desenvolver jogos educativos em sala de aula com alunos disléxicos no intuito de melhorar o processo de aprendizagem dos mesmos. Metodologicamente, este trabalho é derivado de um projeto de extensão aplicado em uma escola de rede pública localizada na cidade de Missão Velha-CE e que consta basicamente de um levantamento bibliográfico em sites de busca como o Google Acadêmico e de etapas importantes que foram sumarizadas ao longo deste trabalho. A experiência obtida com os discentes disléxicos no ambiente escolar foi significativamente proveitosa em termos de ensino-aprendizagem, principalmente ao se vivenciar vários momentos da vida destes alunos em sala de aula, auxiliando-os em sua caminhada pelo conhecimento.</p> 2020-07-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Thais Faustino Faustino //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/entreacoes/article/view/501 Dia mais feliz! 2020-09-18T17:56:10+00:00 João Vitor Andrade jvma100@gmail.com Luiza Possa Pereira possapluiza@gmail.com Patricia Antonieta Vieira patricia.a.vieira@hotmail.com José Victor Soares Silva jose.victor@ufv.br Amanda de Macedo Silva amandamacedosilva13@hotmail.com Marina Barbosa Bonisson maribonisson@bol.com.br Juliana Viana Rodrigues Castro julianavcastro32@gmail.com <p style="text-align: justify;">Objetivo: relatar a experiência de discentes de enfermagem na elaboração e execução da oficina de arteterapia no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Método: trata-se de um relato de experiência, acerca de oficina de arteterapia realizada por acadêmicos de enfermagem. A mesma foi realizada em abril de 2018 em um CAPS na Zona da Mata Mineira. Previamente realizou-se o planejamento da intervenção, visando promover a autonomia e a criatividade, além de fortalecer o vínculo alunos-usuários. O encontro se deu com um grupo aberto e heterogêneo, formado pelos usuários que frequentavam o CAPS. Os usuários demonstraram interesse em desenhar e pintar imagens que representassem o “dia mais feliz”. Para a confecção foram utilizados giz de cera e tintas guaches de cores variadas, folhas de papel pardo, lápis de escrever e canetas. A oficina teve a duração de três horas. Resultados: a oficina foi desenvolvida com seis usuários, com participação ativamente da proposta, se mostrando interessados e empenhados. Alguns tiveram mais facilidades no manuseio e confecção e, outros, mais dificuldades, devido às alterações nas funções mentais e efeito medicamentoso, evidentes em transtornos mais graves, porém todos conseguiram concluir a atividade com criatividade e satisfação pelo trabalho desenvolvido. Conclusão: a realização desta oficina possibilitou aos acadêmicos, vivenciarem os princípios da atenção psicossocial, promovendo a reflexão crítica acerca de novos dispositivos do cuidar em saúde mental, sobretudo os de tecnologias levíssimas em saúde, desenvolvidos por meio da relação terapêutica do “cuidar”.</p> 2020-07-15T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 João Vitor Andrade; Luiza Possa Pereira, Patricia Antonieta Vieira, José Victor Soares Silva, Amanda de Macedo Silva, Marina Barbosa Bonisson, Juliana Viana Rodrigues Castro //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/entreacoes/article/view/504 Presente e futuro, perspectivas de pacientes com câncer 2020-09-18T17:57:46+00:00 José Arinelson da Silva arinelsonsilva3@gmail.com Marcos Ryan Barbosa Rodrigues marcosryanbr@gmail.com Naara de Paiva Coelho naaradepaivacoelho03@hotmail.com Lívia de Menezes Soares liviademenezessoares@hotmail.com João Vitor Cacau Pinheiro Paulino de Souza jvcacau@gmail.com Fabrícia Oliveira Ribeiro fabriciaoliveira98r@gmail.com Emille Sampaio Cordeiro emille.sampaio@ufca.edu.br <p style="text-align: justify;">A neoplasia pode ser definida como um distúrbio do crescimento celular que é ocasionado por um conjunto de mutações adquiridas que afetam uma única célula e sua progênie clonal. A depressão é uma condição psiquiátrica comum que afeta pacientes diagnosticados com todos os tipos de câncer. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi descrever uma atividade realizada pelos acadêmicos voluntários da Liga de Saúde Comunitária do Cariri – LISAC, programa de extensão universitária da Universidade Federal do Cariri – UFCA, com um grupo de adultos e idosos presentes na ONG Casa Esperança e Vida, buscando conhecer e ajudar em aspectos relacionados à saúde mental dessa população. Para a realização do momento, os ligantes optaram por realizar a atividade intitulada “Meu presente/meu futuro”, elaborada por Serrão e Baleeiro para o seu livro "Aprendendo a ser e conviver”. A ação cumpriu seu papel de estimular a comparação da situação do presente e do futuro dos participantes por meio de uma prática mista de discurso com arteterapia e obteve reflexões construtivas dos mesmos, sendo que todos os participantes acreditavam em suas falas que conseguiriam a cura de sua condição atual. Ao finalizar a atividade, pode-se notar que, mesmo diante de todos os pontos negativos que permeiam os processos de diagnóstico e terapia para o câncer, os participantes, de maneira geral, apresentavam-se otimistas quanto ao seu futuro, sendo notória e positiva essa postura para o seu processo de melhora e de cura, refletindo uma boa qualidade da saúde mental dessas pessoas.</p> 2020-07-15T22:13:45+00:00 Copyright (c) 2020 José Arinelson da Silva, Marcos Ryan Barbosa Rodrigues, Naara de Paiva Coelho, Lívia de Menezes Soares, João Vitor Cacau Pinheiro Paulino de Souza, Fabrícia Oliveira Ribeiro; Emille Sampaio Cordeiro //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/entreacoes/article/view/505 Doação de órgãos e informação 2020-09-18T17:58:53+00:00 Natalia Tetemann Vilarim natalia.tv@hotmail.com Thamiris Miranda Granja thamirisgranja@hotmail.com Edmundo de Oliveira Gaudêncio edmundogaudencio@hotmail.com <p style="text-align: justify;">O transplante de órgãos tem como objetivo salvar e/ou melhorar a qualidade de vida. Entretanto, não há órgãos disponíveis para todos os potenciais receptores, isso resulta em significativa mortalidade de pacientes na fila de espera. Ações educativas acerca desse tema – ainda tão pouco discutido no Brasil – são necessárias para mudar a atual realidade, já que a vontade do doador falecido deve ser declarada única e exclusivamente através de sua família, sendo esse o principal propósito do Projeto de Extensão promovido pelos alunos de Medicina da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Para tanto, foram realizados encontros com trezentos e setenta e sete alunos dos Ensinos Fundamental e Médio, com o objetivo geral de conscientizar a sociedade para a doação de órgãos. Nesses encontros foram abordados temas denominados básicos sobre o processo doação-transplante, além da aplicação de questionários idênticos antes e depois das palestras para avaliar os efeitos sobre os alunos-alvo do projeto. Através dos dados coletados, verificamos que o impacto que o Projeto produziu nos alunos foi positivo, visto que eles, de maneira geral, conseguiram assimilar grande parte das informações expostas e, consequentemente, modificaram suas respostas no questionário dois.</p> 2020-07-15T22:21:23+00:00 Copyright (c) 2020 Natalia Tetemann Vilarim, Thamiris Miranda Granja; Edmundo de Oliveira Gaudêncio