Gnosticismo político. Três teses de Eric Voegelin sobre Joaquim de Fiore

  • Noeli Dutra Rossatto Universidade Federal de Santa Maria UFSM
Palavras-chave: Gnosticismo político, Eric Voegelin, Joaquim de Fiore, Filosofia da História, Política.

Resumo

RESUMO:  O artigo examina três teses atribuídas por Eric Voegelin (1901-1985) a Joaquim de Fiore (1162-1205), que estão na base da elaboração do chamado gnosticismo político. São elas: a tese do imanentismo histórico ou da redivinização da sociedade, a do fim do cristianismo e a do simbolismo gnóstico da política moderna. Entre os resultados, destacamos que o imanentismo histórico se baseia em uma espécie de maniqueísmo ao afirmar que a providência divina não mais atua no curso da história, do que resulta que o mundo não tem mais sentido e significado. Em segundo lugar, destacamos que o fim do cristianismo, atribuído ao pensamento joaquimita com base na supervalorização do estado espiritual e do Evangelho eterno, apenas se sustenta a partir da aceitação de que a teoria trinitária de Joaquim de Fiore acentua a tríade pessoal em detrimento da unidade. Por fim, destacamos que a simbólica do gnosticismo político também carrega as mesmas distorções projetadas na Filosofia da História do abade, as quais se derivam em grande medida da leitura deficitária do seu pensamento trinitário.

Biografia do Autor

Noeli Dutra Rossatto, Universidade Federal de Santa Maria UFSM

Doutor em História da Filosofia (Medieval), Universidade de Barcelona (UB, 2000). Prof. Titular do Depto. de Filosofia, Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil. Atuação: PPG-Filosofia (Mestrado e Doutorado) em Hermenêutica e Ética. Livros: La hermenéutica medieval ? un estudio desde Joaquín de Fiore (2011); Joaquim de Fiore: Trindade e Nova Era, 2004. Obras organizadas: Filosofia e Educação - Ética, Biopolítica e Barbárie (2017); Dossiê Ricoeur (2014); Filosofia e Educação (2013); Mística e milenarismo na Idade Média (2013); Diferença, cultura e educação (2010); O simbolismo das Festas do Divino (2003); Ética & Justiça (2003). Vários artigos nacionais e internacionais, capítulos de livros e traduções do latim e do francês

Referências

AGOSTINHO. Obras de Agustín. De civitate Dei. Edição bilíngue com tradução de Jose Moran. Madrid: BAC, 1963.
___. Obras de Agustín. De doctrina christiana. Edição bilíngue. Madrid: BAC, 1979.
JOAQUIM DE FIORE. Concordia Novi ac Veteris Testamenti. Venedig, 1519, reedição fac-símile Frankfurt: Minerva, 1964a.
___. Psalterium decem chordarum. Venedig, 1527, reedição fac-símile Frankfurt: Minerva, 1964b.
___. Expositio in Apocalypsim (com Liber introductorius in Apocalipsis).
Venedig:1527; reedição fac-símile Frankfurt: Minerva, 1964c.
___. Tractatus super quatuor Evangelia. Edição de E. Buonaiuti. Roma: Istituto Storico
Italiano, 1930.
___. Trattati sui quattro Vangeli. Tradução L. Pellegrini e revisão G. L. Potestà. Roma:
Viella, 1999.
BENJAMIN, W. El origen del drama barroco alemán. Trad. José Muñoz Millanes. Madrid: Taurus, 1990.
BUONAIUTI, E. Gioacchino da Fiore. I tempi, la vita, il messaggio. Roma: Meridionale Editrici, 1931.
CHAUÍ, M. Brasil. Mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.
DE LUBAC, H. La postérité spirituelle de Joachim de Flore. Tomo I – de Joachim à Schelling. Paris: Lethielleux, 1979.
___. La postérité spirituelle de Joachim de Flore. Tomo II – de Saint Simon à nous jours. Paris: Lethielleux, 1981.
GRUNDMANN, H. Studi su Gioacchino da Fiore. Trad. Italiana de Sergio Sorrentino. Genova: Marietti, 1989.
HUGHES, G. Transcendence and History. The Search for ultimacy from Ancient Societies to Postmodernity. Missouri: University of Missouri, 2003.
LÖWITH, K. El sentido de la historia. Implicaciones teológicas de la filosofía de la historia. Madrid: Aguilar, 1963.
MCGINN, B. Joachim of Fiore’s tertius status: some theological appraisal. In. Atti II Congresso Internationale di Studi Gioacchimiti. San Giovanni in Fiore: Centro di Studi Gioacchimiti, 1986.
MOTTU, H. La manifestation de l’Esprit selon Joachim de Fiore. Neuchâtel-Paris: Delachaux & Niestlé, 1997.
___. Joachim de Fiore et Hegel. In. Atti I Congresso Internazionale di Studi Gioachimiti. San Giovanni in Fiore: Centro di Studi Gioachimiti, 1980, p. 153-175.
REEVES, M.; GOULD, W. Gioacchino da Fiore e il mito dell’Evangelo eterno nella cultura europeia. Roma: Viella, 2000.
ROSSATTO, N. D. Joaquim de Fiore: Trindade e Nova Era. Porto Alegre: Edipucrs, 2004.
VERARDI, L. Gioacchino da Fiore – Il Protocollo di Anagni. Tradução e reedição do texto latino de H. Denifle: Protocol der Commission zu Anagni – Anno 1255. Cosenza: Orizzonti Meridionali, 1992.
VOEGELIN, E. A nova ciência da política. Tradução de José Viegas Filho. Brasília: UnB, 1982.
___. História das ideias políticas II. Idade Média até Tomás de Aquino. Tradução Mendo Castro Henriques. São Paulo: É realizações, 2012.
___. As religiões políticas. Tradução Teresa Marques da Silva. Lisboa: Vega, 2002.
Publicado
2020-10-02
Como Citar
Rossatto, N. D. (2020). Gnosticismo político. Três teses de Eric Voegelin sobre Joaquim de Fiore. ARARIPE - REVISTA DE FILOSOFIA , 1(1), 63-79. Recuperado de //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/araripe/article/view/622