Pandora e O Segundo Sexo: Um diálogo entre Beauvoir e Hesíodo

  • Camila do Espírito Santo Prado de Oliveira Universidade Federal do Cariri - UFCA
Palavras-chave: feminismo; estudos comparados; existencialismo; estudos clássicos; Pandora.

Resumo

Resumo: Nossa intenção, neste artigo, é apresentar uma leitura da narrativa hesiódica da criação de Pandora, a primeira mulher, analisando sob quais aspectos aparecem, na poesia arcaica grega, os traços míticos relacionados ao feminino que Simone de Beauvoir mapeia na segunda e na terceira parte do primeiro volume de O Segundo Sexo, intituladas História e Os Mitos. O que de próprio à condição feminina ocidental é atribuído à mulher desde Hesíodo e como? A leitura que faremos segue a estratégia do “releasing” (libertação) de autoras feministas, como Vered Kenaan, em Pandora´s Sense. Trata-se de libertar a imagem da primeira mulher da sua conotação negativa e das consequências opressoras que dela decorrem e mostrar como a narrativa grega sobre a criação de Pandora apresenta traços de ambiguidade e indeterminação próprias à condição humana em geral, conforme Beauvoir apresenta em Por uma moral da ambiguidade, traços que a tradição patriarcal revestiu de fantasias e atribuiu exclusivamente à mulher ou responsabilizou-a por eles. Vale ressaltar que não se trata de descobrir, sob o olhar masculino sobre a mulher, uma verdade mais fundamental, uma natureza do feminino. Mas de, compreendendo a construção da condição feminina de subjugo, encontrar na imagem da mulher,potências que nos permitirão transformá-la.

Biografia do Autor

Camila do Espírito Santo Prado de Oliveira, Universidade Federal do Cariri - UFCA

Bacharel em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004), mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2008) e doutora em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2013), pós-doutora em Filosofia pela Universidad de Buenos Aires. Professora dos Cursos de Licenciatura e Bacharelado em Filosofia. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia Antiga e Filosofia e Literatura, dedicando-se principalmente aos seguintes temas: filosofia como diálogo; a tradição poética na filosofia de Platão; e a relação parte-todo. Atualmente realiza pós-doutorado na Universidade de Coimbra

Referências

BEAUVOIR, Simone. (1970) O Segundo Sexo. vol I. Trad. Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.
___________. (1968) O Segundo Sexo. vol II. Trad. Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.
___________. (2005) Por uma moral da ambiguidade. Trad. Marcelo Jacques de Moraes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
HESÍODO. (2002) Os Trabalhos e os Dias. Trad. Mary de Camargo Neves Lafer. São Paulo: Iluminuras.
___________. (1995) Teogonia.Trad. Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras.
KENAAN, Vered. (2008) Pandora's Senses: The Feminine Character of the Ancient Text. Winsconsin: University Winsconsin Press.
LAFER, Mary de Camargo Neves. (2002) Introdução a Os Trabalhos e os Dias. São Paulo: Iluminuras.
LECLERC, Marie-Christine. (1993) Le Parole chez Hésiode. Paris: Les Belles Lettres.
NIETZSCHE. (2000) Humano, Demasiado Humano. vol I. Um livro para espíritos livres. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Cia. das Letras.
OLIVEIRA, Camila do E. S. P. de. (2008) Metade vale mais que tudo: Trabalho e Terra em Hesíodo. Rio de Janeiro: UFRJ. (Dissertação de Mestrado).
ROSA, João Guimarães. (1995) Tutaméia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
Publicado
2020-10-02
Como Citar
Oliveira, C. do E. S. P. de. (2020). Pandora e O Segundo Sexo: Um diálogo entre Beauvoir e Hesíodo. ARARIPE - REVISTA DE FILOSOFIA , 1(1), 150-161. Recuperado de //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/araripe/article/view/626