Olhares sobre a violência

Jean-Paul Sartre, Hannah Arendt e Eric Weil

  • Judikael Castelo Branco Universidade Federal de Tocantins UFT
  • Lara Rocha Universidade Federal do Ceará UFC
Palavras-chave: Jean-Paul Sartre. Hannah Arendt. Eric Weil. Filosofia. Violência.

Resumo

Este artigo aborda a violência a partir de três perspectivas filosóficas distintas: o existencialismo de Jean-Paul Sartre, o pensamento político de Hannah Arendt e a lógica da filosofia de Eric Weil. A relevância do tema se destaca por sua triste atualidade e os três autores relacionados testemunham alguns dos caminhos escolhidos pela filosofia contemporânea para lidar com um desafio absolutamente incontornável.

Biografia do Autor

Judikael Castelo Branco, Universidade Federal de Tocantins UFT

rofessor Efetivo da Universidade Federal do Tocantins (UFT) do curso de Licenciatura em Filosofia e do Mestrado Profissional em Filosofia (PROF-FILO/UFT) e Professor Permanente do Mestrado Acadêmico em Filosofia da Universidade Estadual do Vale do Acaraú (MAF/UVA). É Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e pela Université de Lille (França), com tese sobre a relação entre Filosofia e História no pensamento de Eric Weil (2017). Concluiu o Mestrado em Filosofia pela UFC (2011), com dissertação sobre a filosofia política de Weil, Tem Bacharelado em Teologia pela Faculdade Católica de Fortaleza (FCF) (2007), onde atuou nas áreas de cristologia e antropologia teológica, sobretudo em K. Rahner e W. Pannenberg, e licenciatura em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras (FAFIC). Atualmente desenvolve pesquisas nas áreas de Ética e Filosofia política, com especial interesse pelo pensamento de Eric Weil e Hannah Arendt. Colaborador do Institut Eric Weil (Lille) e membro do GT "Eric Weil e a compreensão do nosso tempo" da ANPOF. É Editor Responsável da Perspectivas - Revista do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFT.

Lara Rocha, Universidade Federal do Ceará UFC

Bacharela em Filosofia pela Faculdade Católica de Fortaleza (FCF). Especialista em Ensino de Filosofia pela Faculdade Católica de Fortaleza (FCF). Mestra em Ética e Filosofia Política pela Universidade Federal do Ceará (UFC), com dissertação intitulada "Pensar em tempos sombrios: as implicações políticas do pensamento na perspectiva de Hannah Arendt". Doutoranda em Ética e Filosofia Política pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Referências

ARENDT, H. A condição humana. Trad. R. Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.
ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. Trad. M. W. Barbosa. 8ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.
ARENDT, H. Liberdade para ser livre. Trad. P. Duarte. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2018.
ARENDT, H. Origens do totalitarismo. Trad. R. Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
ARENDT, H. Sobre a revolução. Trad. D. Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.
ARENDT, H. Sobre a violência. Trad. A. Duarte. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.
ARON, R. History and Dialectic of violence. An analysis of Sartre’s Critique de la raison dialectique. Oxford: Blackwell, 1975.
BATAILLE, G.; WEIL, E. À en-tête de Critique. Correspondance, 1946-1951. Édition établie par S. Patron. Paris: Lignes, 2014.
BERNARDO, L. M. Liberdade ou satisfação: a crítica de Eric Weil ao existencialismo. In: REIMÃO, C. (Org.). Jean-Paul Sartre, uma cultura da alteridade: filosofia e literatura. Lisboa: UNL, 2005, p. 277-290.
CAILLOIS, R. La violence pure est-elle demoniaque? In: Actualité d’Eric Weil. Paris: Beauchesne, 1984, p. 53-76.
CASTELO BRANCO, J. Violência entre ontologia e história na filosofia de Jean-Paul Sartre. Kinesis v. 5, n. 10 (2013), p. 288-304.
HERZOG, A. The concept of violence in the work of Hannah Arendt. Continental Philosophy Review. N. 50, p. 165-179, 2017.
JEASON, F. Le problème morale et la pensée de Sartre. Paris: Du Seuil, 1965.
KATEB, G. Political action: its nature and advantages. In: VILLA, Dana R. (Org.). The Cambridge Companion to Hannah Arendt. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.
MULLER, J-M. O princípio da não-violência. Trad. I. Polegato. São Paulo: Palas Athena, 2007.
PERINE, M. Filosofia e violência. São Paulo: Loyola, 2011.
RIBEIRO, K. P. Violência e poder em Hannah Arendt. Cadernos Arendt, v. 1, n. 1, p. 1-10.
SANTONI, R. Sartre on violence: curiously ambivalente. Pensylvania State University Press, 2003.
SARTRE, J.-P. “Préface à l’édition de 1961”. In: FANON, F. Les damnés de la terre. Paris: La Découverte, 2002, p. 17-36.
SARTRE, J.-P. Cahiers pour une morale. Paris: Gallimard, 1983.
SARTRE, J.-P. L’être et le neant. Paris: Gallimard, 1985.
SOARES, D. Instrução e mal radical em Eric Weil. Perspectivas, v. 4, n. 1 (2019), p. 72-85.
VERSTRATEN, P. Violence et éthique. Esquisse d’une critique de la morale dialectique à partir du thêatre politique de Sartre. Paris: Gallimard, 1972.
WALDRON, J. Arendt’s constitutional politics. In: VILLA, D. R. (Org.). The Cambridge Companion to Hannah Arendt. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.
WEIL, E. Essais et conférences 1. Paris: Vrin, 1991a.
WEIL, E. Essais et conférences 1. Paris: Vrin, 1991b.
WEIL, E. L’avenir de la philosophie. In: QUILLIEN, J. (Ed.) Cahiers Eric Weil 1. Lille: PUL, 1987a, p. 9-22.
WEIL, E. Logique de la philosophie. Paris: Vrin, 1996a.
WEIL, E. Philosophie politique. Paris: Vrin, 1996b.
WEIL, E. Violence et langage. In: QUILLIEN, J. (Ed.) Cahiers Eric Weil 1. Lille: PUL, 1987b, p. 23-32.
Publicado
2022-08-08
Como Citar
Judikael Castelo Branco, & Lara Rocha. (2022). Olhares sobre a violência: Jean-Paul Sartre, Hannah Arendt e Eric Weil. ARARIPE — REVISTA DE FILOSOFIA , 3(1), 20 - 45. https://doi.org/10.56837/Araripe.2022.v3.n1.915