Consciência, subjetividade e o problema do inconsciente na filosofia da mente de John Searle

  • Tárik de Athayde Prata Universidade Federal do Pernambuco UFPE
Palavras-chave: Consciência, Subjetividade, Inconsciente, Explanação causal.

Resumo

Resumo: John R. Searle articulou uma filosofia da mente de acordo com a qual a consciência é o mais importante dos fenômenos mentais, sendo essencialmente caracterizada por uma subjetividade de seu modo de existência. O problema é que a existência de fenômenos mentais inconscientes coloca essa concepção em dificuldades, pois fenômenos inconscientes existem sem serem vivenciados, ou seja, existem de forma objetiva. Para escapar desse problema, Searle propõe uma teoria disposicional do inconsciente, mas a tese do presente trabalho é que, ao aceitar a possibilidade de causação mental inconsciente, Searle está comprometido com a existência de propriedades mentais genuínas, mas independentes da consciência, de modo que sua tese da subjetividade ontológica da mente desmorona.

Biografia do Autor

Tárik de Athayde Prata, Universidade Federal do Pernambuco UFPE

Graduado em Psicologia e Mestre em Filosofia Contemporânea pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Doutor em Filosofia pela Ruprecht-Karl Universität Heidelberg (Alemanha). Professor Associado do Departamento de Filosofia e membro do corpo docente permanente do Mestrado em Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Foi editor da revista Perspectiva Filosófica (2013), vice-coordenador do Mestrado em Filosofia (2014), e coordenador do Mestrado (2015 a 2018). Participa desde 2012 do Comitê Científico da coleção Cadernos de Lógica e Filosofia, editada em língua portuguesa pela College Publications (Londres, Reino Unido). Tem experiência nas áreas de Filosofia da Mente e Filosofia da Psicologia

Referências

Block, N. “Consciousness”. In: Guttenplan, S. (Org.). A Companion to the Philosophy of Mind. Oxford/Cambridge MA: Basil Blackwell, pp. 210-19, 1994.
Brentano, F. Psychologie vom empirischen Standpunkt. 2ª ed. Leipzig: Meiner, 1924.
Brentano, F. Psychology from an empirical standpoint. London: Routledge & Kegan Paul, 1995.
Costa, C. Uma introdução contemporânea À filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
Fotion, N. John Searle. Princeton: Princeton University Press, 2000.
Gennaro, R. Consciousness and Selfconsciousness: a Defense of the Higher Order Thought Theory of Consciousness. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing, 1996.
Gilbert, M. “Searle and Collective Intentions”. In: Tsohatzidis, L. (Org.). Intentional Acts and Institutional Facts: Essays on John Searle’s Social Ontology. Dordrecht: Springer, pp. 31-48, 2007.
Harré, R. “Dispositions and Powers” In: W. H. Newton-Smith (Org.). A Companion to the Philosophy of Science. Oxford: Blackwell, pp. 97-101, 2001.

Husserl, E. Logische Untersuchungen II: Untersuchungen zur Phanomenologie und Theorie der Erkenntnis. Den Haag: Martinus Nijhoff, 1984. (Husserliana XIX/Parte 2).
Husserl, E. Investigações Lógicas: Segundo volume, parte I: Investigações para a Fenomenologia e Teoria do Conhecimento. Trad. Pedro M. S. Alves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.
Kim, J. Philosophy of Mind. Boulder: Westview Press, 1996.
Kriegel, U. “Consciousness as Intransitive Self-Consciousness: Two Views and an Argument”. Canadian Journal of Philosophy, Vol. 33, No. 1, pp. 103-132, Mar, 2003.
Lima Filho, M. M. “O experimento de pensamento do quarto chinês: a crítica de John Searle à inteligência artificial forte”. In: Argumentos (UFC), Ano 2, No 3, pp. 51-58, 2010.
Moural, J. “The Chinese Room Argument”. In: Smith, B. (Org.). John Searle. Cambridge University Press, 2003.
Nagel, T. “What Is It Like To Be a Bat?”. The Philosophical Review Vol. 83, No 4, pp. 435-50, 1974.
Nagel, T. “Como é ser um morcego?”. Cadernos de História e de Filosofia da Ciência. Série 3, Vol. 15, No 1, pp. 245-62, 2005.
Prata, T. A. “Subjetividade ontológica na filosofia mente de John Searle”. In: Philósophos (UFG), Vol. 12, No 2, pp. 171-204, 2007.
Prata, T. A. “Características e dificuldades do Naturalismo Biológico de John Searle” In: Philósophos (UFG), Vol. 14, No 1, pp. 141-73, 2009.
Prata, T. A. “É o naturalismo biológico uma concepção fisicalista?” In: Principia (UFSC), Vol. 16, No 2, pp. 255-276, 2012a.
Prata, T. A. “Sobre a relação entre as propriedades subjetivas e objetivas segundo o naturalismo biológico de John Searle” In: Filosofia Unisinos, Vol. 13, No 3, pp. 406-421, 2012b.
Prata, T. A. “Naturalismo e subjetividade na filosofia da mente de John Searle”. In: Perspectiva filosófica, Vol. 41, No 2, pp. 85-101, 2014a.
Prata, T. A. “O caráter dualista da filosofia da mente de John Searle”. In: Discussiones Filosóficas (Universidad de Caldas), Ano 15, No 25, Julio-Deciembre, pp. 43-62, 2014b.
Prata, T. A. “A estrutura da autoconsciência na filosofia da mente de John Searle”. In: Veritas (PUCRS), Vol. 62, No2, maio-ago., p. 428-452, 2017a.
Prata, T. A. “Apresentação do artigo ‘Uma teoria da consciência’ de David Rosenthal”. In: Perspectiva filosófica, Vol. 44, No 2, pp. 133-42, 2017b.
Prata, T. A. “Uma crítica à concepção disposicional de Searle sobre os fenômenos mentais inconscientes”. In: Araújo, A. (Org.) [et al.]. Pragmatismo, filosofia da mente e filosofia da neurociência. São Paulo: ANPOF, pp. 387-403, 2017c.
Prata, T. A. “A concepção disposicional do inconsciente na filosofia da mente de John Searle”In: Reflexões (UVA), Ano 6, No 11, Julho a Dezembro, pp. 201-16, 2017d.
Prata, T. A. “Uma objeção à concepção disposicional dos fenômenos mentais inconscientes” In: Principia (UFSC), Vol. 22, No 3, pp. 507–526, 2018.
Prata, T. A. “A teoria disposicional de Searle sobre os fenômenos inconscientes e o problema da eficácia causal.” In: Pensando – Revista de Filosofia (UFPI), Vol 10 No 19, pp. 11-25, 2019.
Preston, J. (Org.); Bishop, M. (Org.). 2002. Views into the Chinese Room: New Essays on Searle and Artificial Intelligence. Oxford, Oxford University Press, 2002.
Rosenthal, D. “Two Concepts of Consciousness”. In: Philosophical Studies 49, pp. 329-59, 1986.
Rosenthal, D. “State Consciousness and Transitive Consciousness”. In: Consciousness and Cognition, 2, pp. 355-63, 1993.

Rosenthal, D. “A Theory of Consciousness”. In: Block, N. (Org.); Flanagan, O. (Org.); Güzeldere, G. (Org.). The Nature of Consciousness: Philosophical Debates. Cambridge (Massachusetts): MIT Press, pp. 729-753, 1997.
Rosenthal, D. “Uma teoria da consciência”. In: Perspectiva filosófica, Vol. 44, No 2, pp. 143-78, 2017.
Sartre, J. P. L’Imaginaire: psychologie phénomenologique de l’imagination. Paris: Gallimard, 1986.
Sartre, J. P. O imaginário: psicologia fenomenológica da imaginação. São Paulo: Editora Ática, 1996
Searle, J. R. Speech Acts: An Essay in the Philosophy of Language. Cambridge: Cambridge University Press, 1969.
Searle, J. R.. Expression and Meaning: Studies in the Theory of Speech Acts. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.
Searle, J. R.“Minds, Brains and Programms.” Behavioral and Brain Sciences, 3, pp. 417-24, 1980.
Searle, J. R. Os actos de fala: um ensaio de filosofia da linguagem. Coimbra: Livraria Almedina, 1981.
Searle, J. R. Intentionality: An Essay in the Philosophy of Mind. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.
Searle, J. R. Consciousness, Unconsciousness, and Intentionality. Philosophical Topics, Vol. XVII, pp. 193-209, 1989.
Searle, J. R.Consciousness, Explanatory Inversion, and Cognitive Science. Behavioral and Brain Sciences, 13, pp. 585-642, 1990.
Searle, J. R. The Rediscovery of the Mind. Cambridge Mass., London: MIT Press, 1992.
Searle, J. R. Expressão e significado: estudos da teoria dos atos de fala. São Paulo: Martins Fontes, 1995a.
Searle, J. R.. The Construction of Social Reality. New York: The Free Press, 1995b.
Searle, J. R.Intencionalidade. São Paulo: Martins Fontes, 1995c.
Searle, J. R. “Mentes, cérebros e programas”. In: Teixeira, J. F. (Org.). Cérebros, máquinas e consciência: uma introdução à filosofia da mente. São Carlos: Editora da UFSCar, pp. 61-93, 1996.
Searle, J. R. A Redescoberta da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
Searle, J. R. Consciousness and Language. Cambridge (UK): Cambridge University Press, 2002a.
Searle, J. R. “Why I Am Not a Property Dualist” In: Journal of Consciousness Studies, vol. 9, no 12, pp. 57-64, 2002b.
Searle, J. R. Making the Social World: The Structure of Human Civilization. Oxford: Oxford University Press, 2010a.
Searle, J. R. Consciência e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2010b.
Searle, J. R. Seeing Things as They Are: A Theory of Perception. Oxford: Oxford University Press, 2015.
Van Gulick, R. “Why the Connection Argument Doesn’t Work”. Philosophy and Phenomenological Research. Vol. LV, No 1, pp. 201-207, 1995.
Van Gulick, R. “Consciência”. Investigação filosófica, Vol. E2, Artigo digital 2, 2012.
Publicado
2020-10-02
Como Citar
Prata, T. de A. (2020). Consciência, subjetividade e o problema do inconsciente na filosofia da mente de John Searle. ARARIPE - REVISTA DE FILOSOFIA , 1(1), 6-26. Recuperado de //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/araripe/article/view/613