O jovem leitor Agostinho no livro III das Confissões

  • Daniel Fujisaka Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Confissões, Agostinho, Fantasia, Representações, Solilóquios

Resumo

Esse artigo pretende explorar a narrativa de Agostinho acerca de sua adesão ao pensamento gnóstico-maniqueu, livro III das suas Confissões, como momento falacioso do espírito, engenho de simulacro linguístico enganador. O livro III das Confissões de Agostinho de Hipona pode ser lido como análise do filósofo sobre suas próprias condições de assentimento às representações literárias como via de acesso à verdade ou falsidade na medida em que problematiza a via gnóstico- maniqueia outrora trilhada como uma questão de leituras (cf. Conf. III, 4, 7 à III, 5, 10). O jovem leitor denuncia sua pretensão de saber (gnose), uma suposição que o levara ao procedimento de tomar phantasia como referência hipostasiada de significação de verdade. Presume que seja arguto para imaginar e nomear realidades sobre corpos, [que seriam] mais reais do que verdadeiras imagens de corpos, e ao proceder assim nada faz senão imaginar “falsos corpos”, germe de uma perigosa nomeação que chega a pretender pela palavra indicar até mesmo o infinito. Finalmente, um trecho final dos seus Solilóquios II será especialmente esclarecedor para compreender como Agostinho parece apontar para a disposição do espírito por detrás da suposição e significação – para além de simples “sentenças falsas e enganadoras” (cf. Solilóquios II, xv, 29). A perspicácia (acies) do maniqueu faz dele sujeito de uma presunção sedutora, arrogando-se ser capaz de nomear o que está além da possibilidade de qualquer representação ou objetivação. A leitura, no entanto, não será afastada como via de exortação do espírito à verdade, o que lança a hipótese de que outra disposição deva substituir a presunção de saber algo da essência do texto.

Biografia do Autor

Daniel Fujisaka, Universidade de São Paulo

Doutor em filosofia pela USP- Universidade de São Paulo (2019); mestre em filosofia pela USP (2014, conceito CAPES 7), bacharel em filosofia pela USP (2011); mestre em teologia pelo STSC - (2005); Bacharel em administração de empresas pela FAAP - Faculdade Armando Alvares Penteado (2001). Tem experiência em docência no ensino superior nas áreas de teologia e filosofia.

Referências

Fontes:
AGOSTINHO. Confissões. Tradução e Prefácio de Lorenzo Mammi. São Paulo, Companhia das Letras, 2017.
AUGUSTINUS, De Genesi ad litteram libri duodecim. Corpus Christianorum Series Latina CCL /28/1, J. Zycha, 1894, pp 3-228.
AUGUSTINUS, De Genesi contra manicheos, Patrologia Latina (J. P. Migne) PL, 34, 173-220.
AUGUSTINUS, Confessionum libri tredecim - Patrologia Latina (PL), editada por J. P. Migne e revisada por Città Nuova Editrice and Nuova Biblioteca Agostiniana. Consultadas eletronicamente na URL:http://www.augustinus.it/latino/index.htm.
AUGUTINUS, De Genesi contra Manichaeos libri duo - Patrologia Latina (PL), editada por J. P. Migne e revisada por Città Nuova Editrice and Nuova Biblioteca Agostiniana. http://www.augustinus.it/latino/index.htm.
SAINT AUGUSTIN, Dialogues philosophiques, II. Dieu et l’âme. Soliloques. De immortalitate animae. De quantitate animae. Texte latin de l’éd. bénédictine. Introduction. traduction. et notes de P. Labriolle. Bibliothèque Augustinienne. Œuvres de saint Augustin, 5. Institut des Études Augustiniennes. Paris, Desclée de Brouwer, 1947. 415 p.
SAINT AUGUSTIN, Dialogues Philosophiques – IV La Musique – De Musica Libri Sex. Texte de L’edition Bénédictine, introduction, traduction et notes de Guy Finaert, A.A. Desclêe, de Brouwer et Cie, Paris, 1947.
Estudos:
AUERBACH, “Sermo Humilis”. In: Ensaios de literatura ocidental. São Paulo: Editora 34, 2007
BRACHTENDORF, Johannes. Confissões de Agostinho. Tradução de Milton Camargo Mota 2. ed. São Paulo, Loyola, 2012.CAMBRONNE, Patrice. Augustin et l’Église: Jalons d’un itinéraire Notes de lecture (Confessions, III-IV, 10). In: Vita Latina, N°115, 1989. pp. 22-36
HADOT, Pierre. La notion d’infini chez Saint Augustin. In: Philosophie 26, 1990 Hoelder-Pichler-Tempsky, 198
O’DALY. Anima, Error, and Falsum in Augustine. In: Platonism Pagan and Christian:Studies in Plotinus and Augustine. 2001
OORT, Van. Augustine and manichaeism: new discoveries, new perspectives. In: Verbum et Ecclesia, 27 (2). 2006.
Publicado
2021-08-26
Como Citar
Fujisaka, D. (2021). O jovem leitor Agostinho no livro III das Confissões. ARARIPE - REVISTA DE FILOSOFIA , 2(1), 44-59. Recuperado de //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/araripe/article/view/776