Entre o animal e a máquina:

qual o lugar do humano?

  • Juliano de Almeida Oliveira Pontifícia Università della Santa Croce - Roma Itália
Palavras-chave: Antropologia, Pós-humanismo, Animalismo, humano

Resumo

O artigo pretende apresentar de modo geral a situação do homem contemporâneo, cuja noção se esvazia diante das provocações do animalismo, de um lado, e do pós-humanismo, de outro. Quem é realmente o homem? Um animal como os outros ou uma potencial máquina a ser desenvolvida através do enhancement de suas capacidades? Está-se diante de dois fenômenos preocupantes: uma absolutização do dado biológico no caso do animalismo, fazendo do ser humano somente um momento específico dentro do gênero animal; ou senão o abandono do biológico, transformado pela tecnologia que produz o “além-homem”, em condições diversas de existência, no caso do pós-humanismo. De qualquer modo, nessas novas antropologias (naturalista e tecnicista) perde-se aquilo que torna o homem propriamente humano, ou seja, o que a tradição chama de espírito ou alma (nous, psyché). Sem descer a detalhes, deseja- se indicar as principais teses, bem como os autores de referência, que caracterizam ambas as posições mencionadas. A atenção também se dirige à tentativa de re-dizer o humano como pessoa, partindo dos elementos presentes nas posições em estudo, mas indo além de seus reducionismos.

Biografia do Autor

Juliano de Almeida Oliveira, Pontifícia Università della Santa Croce - Roma Itália

Doutor e Mestre em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Mestre e Doutorando em Direito Canônico pela Pontificia Università della Santa Croce (Roma). Licenciado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Bacharel em Teologia pelo Pontificio Ateneo SantAnselmo (Roma). Atualmente, é Professor Adjunto da Faculdade Católica de Pouso Alegre. Dedica suas pesquisas e atividades docentes sobretudo às áreas da Filosofia Patrística, da Teologia e do Direito Canônico, a partir de autores clássicos e contemporâneos.

Referências

KANT, Immanuel. Fondazione della metafisica dei costumi. In: Idem. Scritti morali. Torino, UTET, 1995.
KASS, L. The wisdom of repugnance. In: The New Republic, 02.06.1997, 17-26. KURTZWEIL, R. La singolarità è vicina. Apogeo Education, Santarcangelo di
Romagna 2008.
MORE, M. A Letter to Mother Nature: Amendments to the Human Constitution. 2009. Disponível em: https://strategicphilosophy.blogspot.com/ search?q=letter+to+mother+nature. Último acesso em 29.04.2021.
PALAZZANI, L. Dalla bio-etica alla tecno-etica: nuove sfide al diritto. Torino, Giappichelli, 2017.
PARENS, E. The Goodness of Fragility: On the Prospect of Genetic Technologies Aimed at the Enhancement of Human Capacities. In: Kennedy Institute of Ethics Journal, 5/2 (1995), 141-153.
REGAN, T. The case for animal rights. Berkeley/Los Angeles, University of California Press, 1983.
SANDEL, M. Contra a perfeição. Ética na era da engenharia genética. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2013.
SINGER, P. Ética práctica. Madrid, Akal, 2009.
SLOTERDIJK, P. Regras para o parque humano. São Paulo: Estação Liberdade, 2011.
VAZ, H. C. L. Antropologia Filosófica I. São Paulo, Loyola, 1991.
______. Escritos de Filosofia III: Filosofia e Cultura. São Paulo, Loyola, 1997.
WOLFF, F. Nossa humanidade. De Aristóteles às neurociências. São Paulo, Unesp, 2011.
Publicado
2021-08-28
Como Citar
Oliveira, J. de A. (2021). Entre o animal e a máquina:: qual o lugar do humano?. ARARIPE - REVISTA DE FILOSOFIA , 2(1), 71-85. Recuperado de //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/araripe/article/view/780