O elemento deontológico da moral agostiniana: um estudo do conceito de verdade

  • Matheus Jeske Vahl Universidade Federal de Pelotas UFPel
Palavras-chave: Verdade; Beatitude; Razão; Vontade; Dever

Resumo

RESUMO: Na reflexão que desenvolve nos textos do primeiro decênio de sua obra Agostinho mantém um princípio teleológico forte, a saber, que o grande motivo que leva o homem a filosofar e buscar a compreensão da Verdade é o desejo de ser feliz, isto é, encontrar a Beatitude que ele identifica com a condição de estar plenamente em Deus, fim último a ser buscado pelo homem. Este fim só é atingido por quem compreende a Verdade com a reta razão e vive a virtude com reta vontade. Trata-se de um processo cognitivo e volitivo onde a ação humana precisa estar em conformidade com uma realidade transcendente, exterior à natureza criada, que lhe está na condição de um mandato de ação. Neste ponto percebemos a presença de um elemento deontológico forte já nesta fase de seu pensamento, o qual não esvazia sua ampla reflexão acerca da liberdade humana, mas a situa no contexto da teodiceia que justifica sua moral religiosa.

Biografia do Autor

Matheus Jeske Vahl, Universidade Federal de Pelotas UFPel

Possui graduação em Filosofia pela Universidade Católica de Pelotas (2009). Cursou Teologia pela mesma universidade entre 2010-2011. Mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Pelotas na área de Ética (2015), e Doutorado na área de Ética e Filosofia Política pela mesma instituição, cujo título da tese foi Iustitia et Misericordia: o conceito de justiça na obra de Santo Agostinho. Possui experiência docente com Ensino Médio e Superior, tendo atuado no Ensino de Humanidades para cursos de áreas técnicas e para graduação em licenciatura de Filosofia. É pesquisador com diversas publicações nas áreas de Filosofia Moral e Política, Filosofia Medieval, Teologia e Ciências da Religião. 

Referências

AGOSTINHO. A Cidade de Deus. Trad. J. Dias Pereira. 2º ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.
____________. De la Verdadera Religión. In: Obras Completas de San Agustín. Trad. Victorino Capañaga. Ed. Bilingüe. Madrid: La Editorial Católica/BAC, 1956, tomo IV, p. 3-236.
____________. Enquiridion. In: Obras Completas de San Agustín. Trad. Andrés Centeno. Ed. Bilingüe. Madrid: La Editorial Católica/BAC, 1956, tomo IV, p. 455-642.
___________. De la Continencia. In: Obras Completas de San Agustín. 2 ed. Trad. Lope Cilleruelo. Ed. Bilingüe. Madrid: La Editorial Católica/BAC, 1954, tomo XII, p. 285-340.
___________. Ochenta y tres cuestiones diversas. In: Obras completas de Saint Agustín. Trad. Teodoro C. Madrid. Ed. Bilingüe. Madrid: La Editorial Católica/BAC, 1995, tomo XL, p. 5-300.
___________. Retratações. Trad. Agustinho Belmonte. São Paulo: Paulus, 2019 (Coleção Patrística 43).
____________. Solilóquios. Trad. Adaury Fiorotti. 4 ed. São Paulo: Paulus: 2010, p. 09 – 108 (Col. Tradição Patrística 11).
____________. A Vida Feliz. Trad. Nair de Assis Oliveira. 4 ed. São Paulo: Paulus: 2010, p. 109 – 158 (Col. Tradição Patrística 11).
__________. Comentário literal ao Gênesis. In: Comentário ao Gênesis. Trad. Agustinho Belmonte. São Paulo: Paulus, 2005, p. 15-498 (Coleção Tradição Patrística 21).
__________. Sobre o Gênesis contra os maniqueus. In: Comentário ao Gênesis. Trad. Agustinho Belmonte. São Paulo: Paulus, 2005, p. 499-592. (Coleção Tradição Patrística 21).
___________. Sobre la Inmortalidad de la anima. Trad. Lope Cilleruelo. In: augustinus.it/spanolo.
__________. Confissões. Trad. Arnaldo do Espírito Santo, João Bento e Maria Cristina de Castro-Maia de Sousa Pimentel. 2 ed. Lisboa: Centro de Literatura e Cultura Portuguesa e Brasileira: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2004.
___________. Diálogo sobre o Livre Arbítrio. Trad. Paula Oliveira e Silva. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2001.
__________. O espírito e a letra. Trad. Agustino Belmonte. 5 ed. São Paulo: Paulus, 2014, p. 11-100 (Coleção Patrística 12).
AQUINO, T. Suma teológica. Trad. Gabriel C. Galachee Fidel Garcia Rodrigues. São Paulo: Loyola, 2003 (Vol. 2, Questões 44-119).
GILSON, E. Introdução ao estudo de Santo Agostinho. Trad. Cristiane Negreiros Abbud Ayoub. 2.ed. São Paulo, Paulus, 2010.
GRACIOSO, J. A Dimensão Teleológica e Ordenada do Agir Humano em Santo Agostinho. In: Revista Trans/Form/Ação. Marília, v. 35, edição especial, p. 11-30, 2012.
HERMANN, F.W. Agostino e la domanda fenomenologica sul tempo. Trad. Donatella Calantuono. Bari: Edizioni di pagina, 2015.
HORN, C. Agostinho: conhecimento, linguagem e ética. Trad. Roberto Hofmeister Pich. Porto Alegre: EDIPUC, 2008.
McDONALD, S. Primal Sin. In: MATTHEWS, G. (org.). The Augustian Tradition. California: University California Press, 1999, p. 110-139.
MATTHEWS, G. Santo Agostinho: a vida e as idéias de um filósofo adiante de seu tempo. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.
OLIVEIRA E SILVA, P. Introdução ao Diálogo sobre o Livre Arbítrio. In: AGOSTINHO. Diálogo sobre o Livre Arbítrio. Trad. Paula Oliveira e Silva. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2001, p. 13-76.
_____________________. O binomio vontade-ser em De libero arbítrio de Santo Agostinho: In: Philosophica. Lisboa, v.1, n. 5, p. 19-34, 1995.
PICH, R. H. Agostinho e a “descoberta” da vontade: primeiro estudo. In: Veritas. Porto Alegre, v.50, n.2, p. 175-206, 2005.
RIST, J. Augustine: Ancient Thought Baptized. Cambridge: University Press, 2000.
ULLMANN, R. A. O Mal. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.
VARGAS, V. J. Soberba e Humildade em Santo Agostinho. São Paulo: Loyola, 2014.
ZALAZAR, R. El tema de Dios en la Filosofia: San Agustin y San Anselm. Buenos Aires: Resistência, 1968.
Publicado
2020-10-02
Como Citar
Vahl, M. J. (2020). O elemento deontológico da moral agostiniana: um estudo do conceito de verdade. ARARIPE - REVISTA DE FILOSOFIA , 1(1), 27-40. Recuperado de //periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/araripe/article/view/620