Res occultas: Lucrécio e o invisível

  • Marco Antonio Valentim Universidade Federal do Paraná UFPR
Palavras-chave: Natureza. Sentido. Invisibilidade. Velocidade. Noite.

Resumo

O ensaio trata do problema da invisibilidade da matéria e do vazio em De
rerum natura Como é possível a Lucrécio sustentar, por um lado, que o ânimo é
material e que o conhecimento é sensível, e, por outro, que os primórdios das
coisas, bem como o vazio e os simulacros dos corpos, são invisíveis e, no limite,
inacessíveis aos sentidos? O problema é desenvolvido mediante um comentário ao
texto de Lucrécio que retoma criticamente a interpretação de Deleuze em Lógica do
sentido com foco na relação entre o caráter oculto da natureza e a diferença de
velocidade entre, de um lado, sentidos e pe nsamento e, de outro, simulacros e
corpos. A partir disso, o ensaio tira conclusões a respeito da natureza do discurso de
Lucrécio sobre a natureza das coisas.

Biografia do Autor

Marco Antonio Valentim, Universidade Federal do Paraná UFPR

Professor do Departamento de Filosofia (2006-) e do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal do Paraná (2007-). Bacharel em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná (2000). Mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002). Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007). Fez estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional do Rio de Janeiro (2012-2013) e no Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2017-2018). Publicou estudos acerca de problemas metafísicos em filosofia antiga e moderna, e ensaios comparativos sobre antropologias ocidentais e ameríndias. Escreveu "Extramundanidade e sobrenatureza: ensaios de ontologia infundamental" (Cultura e Barbárie, 2018). Pesquisador do SPECIES - Núcleo de Antropologia Especulativa (UFPR). Membro do GT Ontologias Contemporâneas (ANPOF). 

Referências

BUTTERFIELD, David. The Early Textual History of Lucretius’ De rerum natura. Cambridge: Cambridge University Press, 2018.
CALVINO, Italo. Seis propostas para o próximo milênio. Tradução de Ivo Barroso. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
DELEUZE, Gilles. Lucrécio e o simulacro. In: G. Deleuze. Lógica do sentido. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, p. 273-288, 2003.
_____. O tempo musical. In: G. Deleuze. Cartas e outros textos. Tradução de Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: n-1 edições, p. 239-243, 2018.
EPICURO. Carta a Heródoto. In: Epicuro. Cartas & Máximas principais: “Como um deus entre os homens”. Tradução de Maria Cecília Gomes dos Reis. São Paulo: Penguin Companhia das Letras, p. 91-109, 2020.
HADOT, Pierre. O que é a filosofia antiga? Tradução de Dion Davi Macedo. São Paulo: Edições Loyola, 2014.
LUCRÉCIO. A natureza das coisas. Tomos I e II. Tradução de Antonio José de Lima Leitão. Lisboa: Typographia de Jorge Ferreira de Mattos, 1851-53.
_____. Da natureza. Tradução e notas de Agostinho da Silva. São Paulo: Abril Cultural (Os Pensadores), 1980.
_____. Sobre a natureza das coisas. Tradução, notas e paratextos de Rodrigo Tadeu Gonçalves. Edição bilíngue. Belo Horizonte: Autêntica, 2021.
LUCRETIUS. On the Nature of Things. Translated by Cyril Bailey. Oxford: Clarendon Press, 1910.
_____. On the Nature of Things. Translated by W. H. D. Rouse. Loeb Classical Library. Cambridge, London: Harvard University Press, 1992.
NAIL, Thomas. Lucretius I: An Ontology of Motion. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2018.
PRIGOGINE, Ilya; STENGERS, Isabelle. Entre o tempo e a eternidade. Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
SCHWOB, Marcel. Lucrécio poeta. In: M. Schwob. Vidas imaginárias. Tradução de Dorothée de Bruchard. São Paulo: Hedra, p. 74-78, 2011.
80 Revista Araripe, v.3, n.1, p.58-80, jan./jun. 2022.
SERRES, Michel. O nascimento da física no texto de Lucrécio: correntes e turbulências. Tradução de Péricles Trevisan. São Paulo: Editora UNESP; São Carlos: EdUFSCAR, 2003.
Publicado
2022-08-08
Como Citar
Marco Antonio Valentim. (2022). Res occultas: Lucrécio e o invisível. ARARIPE — REVISTA DE FILOSOFIA , 3(1), 58 - 80. https://doi.org/10.56837/Araripe.2022.v3.n1.919