ANÁLISE DE IMPACTO AMBIENTAL OCASIONADO PELAS CERÂMICAS VERMELHAS NO DISTRITO DE PONTA DA SERRA, CRATO - CE.

  • Nadynne Temoteo da Silva Universidade Regional do Cariri- URCA
  • José Laécio de Moraes Universidade Regional do Cariri- URCA

Resumo

Embora a produção de cerâmica vermelha gere uma grande renda, contribuindo de forma positiva para o sustento de muitas famílias, as cerâmicas podem vir a acarretar uma série de problemas ambientais. Assim sendo, buscou-se por meio deste trabalho, coletar e analisar dados sobre pontos de agravamento ambiental, no que se referia as atividades em desenvolvimento e ao seu impacto no meio. O estudo foi realizado através do método de pesquisa check-list, onde por meio de visitas nas Cerâmicas A e Cerâmica B, ambas localizadas no Distrito de Ponta da Serra. Foram avaliados atributos de caráter, importância, magnitude, duração, ordem e escala, e dado os devidos valores de acordo com os parâmetros de avaliação. De forma a englobar todas as fases do check-list, a Cerâmica A apresentou 26 impactos benéficos e 82 adversos; em contrapartida, a Cerâmica B, apresentou 74 impactos benéficos e 34 adversos. Foram totalizados, em um somatório de ações observadas no agrupamento de todas as fases, 108 pontos de avaliação em ambas as cerâmicas. Com a análise dos impactos ambientais aqui discutidos, espera-se que este estudo venha a colaborar de forma positiva e educacional, para novas pesquisas que venham a surgir sobre as cerâmicas vermelhas da região e seus impactos ambientais.

 

Palavras-chave: Impacto ambiental; Check-list; Cerâmicas vermelhas.

Biografia do Autor

Nadynne Temoteo da Silva, Universidade Regional do Cariri- URCA
Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Regional do Cariri- URCA (2018).
José Laécio de Moraes, Universidade Regional do Cariri- URCA
Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Regional do Cariri- URCA (2009). Mestre e Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - UNESP e Especialista em Gestão Ambiental pela Faculdade Vale do Jaguaribe - FVJ.

Referências

ABDI- Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial. Estudo técnico setorial da cerâmica vermelha. Subsídios para a elaboração de um plano de desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva de cerâmica vermelha. Brasília- DF. 2010.

ALVES, MARIA DE JESUS LINHARES. Caracterização dos impactos ambientais causados pela mineração de argilas: O caso das fazendas Várzea Grande e fazenda Caeira em Sobral (CE). (Mestrado Acadêmico em Geografia). Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA, Sobral- CE, págs. 86. 2017.

ANICER – Associação Nacional da Indústria Cerâmica. Parcerias que engrandecem o setor. Disponível em: <https://www.anicer.com.br/>. Acesso em: 13 de maio de 2017.

ANICER. A cerâmica vermelha no Brasil. 2014. Disponível em: <https://www.anicer.com.br/wp-content/uploads/2014/08/Release_Setor.pdf>Acesso em: 07 de Jan. de 2019.

ARAÚJO DE, RAFAEL MEDEIROS. Análise da arborização do campus da Universidade Federal de Campina Grande. (Graduação em licenciatura plena em Ciências Biológicas). 28 págs. Patos, PB. 2016.

BASTOS, A. C. S.; ALMEIDA, J. R. Licenciamento Ambiental Brasileiro no contexto da Avaliação de Impactos Ambientais. Cap. 2, 88-97p. 2002.

BRASIL. lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente. Lex: coletânea de legislação: edição federal, Brasília, 1981.

BRASIL. Resolução nº 1, de 23 de janeiro de 1986. Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para o Relatório de Impacto Ambiental – RIMA. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília- DF, 17 fev. 1986.

CALVÃO, T.; PESSOA, M. F.; LIDON, F. C. Impactofhumanactivitiesoncoastalvegetation- a review, Emirates Journalof Food andAgriculture. 25 (12), Al-Maqam United Arab Emirates University, Abu Dhabi, págs. 926-944, 2013.

CASTRO, IRONE MARTINS. Diagnóstico da arborização da cidade de Chapadinha- MA. (Monografia Licenciada e Bacharel em Ciências Biológicas). Universidade Federal do Maranhão, Chapadinha- MA, págs. 67. 2017.

CPRH. Manual para Controle de Emissão de Fumaça Escura em Fornos e Caldeiras de Pequena Capacidade. 19 págs. Recife, 2009.

DIAS, M. DO C. O.; PEREIRA, M. C. B.; DIAS, P. L. F.; VIRGINIO J. F. Manual de impactos ambientais: orientações básicas sobre aspectos ambientais atividades produtivas. Banco do Nordeste, Fortaleza, 1999.

EMBRAPA. Cultivo e utilização no Nim Indiano. Circular técnico 62. Santo Antônio de Goiás- GO, ed. 1, págs. 12. 2003.

GM. Filtro de ar. Verdade Genuína. ANO II • Nº 23 MAIO DE 2011.

JUNIOR, M. C.; TANNO, L. C.; SINTONI, A.; MOTTA, J. F. M.; COELHO, J. M.; A indústria de cerâmica vermelha e o suprimento mineral no Brasil: Desafios para o aprimoramento da competitividade. Cerâmica Industrial. 2012.

KOPEZINSKI, ISAAC. Mineração x Meio Ambiente: Considerações Legais, Principais Impactos Ambientais e seus Processos Modificadores. Porto Alegre: Ed. Universidade/ UFRGS, págs. 103. 2000.

KUASOSKY, M.; KUZMA, E. L.; MENON, M. U.; DOLIVEIRA, S. L.D. Sustentabilidade em indústrias de cerâmica vermelha por meio da utilização de ecoinovações. Rev. Gestão Industrial. Vol. 12, nº 03, págs. 145-164. 2016.

MACEDO, R. S.; MENEZES, R. R.; NEVES, G. A.; FERREIRA, H. C. Estudo de argilas usadas em cerâmica vermelha. Cerâmica 54. págs. 411-417. 2008.

MASSEI, R.; MONTYSSUMA, M. Cerâmica vermelha, desenvolvimento Econômico e impacto ambiental: O norte do estado do paraná, Brasil.Rev. Ciência. & Trópico. Recife, v. 41, n. 1, págs. 119-138, 2017.

MEDEIROS DE, ELISANDRA NAZARÉ MAIA. Sistema de gestão da qualidade na indústria cerâmica vermelha. Estudo de caso de uma indústria que abastece o mercado de Brasília. (Dissertação de mestrado em estruturas e construção civil) Universidade de Brasília. Brasília, págs. 119. 2006.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. Programa Nacional de Capacitação de gestores ambientais: MPMG – Ministério Público de Minas Gerais. Orientação Técnica. Central de Apoio Técnico – CEAT. 2009

PORTELA M. O. B; GOMES J. M. A. Os danos ambientais resultantes da extração de argila no bairro Olarias em Teresina-PI. (Programa de pós-graduação em políticas públicas). São Luís – MA, 7 págs. 2005.

RODRIGUES M. I. V.; SALES P. V. P.; MAYORGA M. I. DE O.; FILHO F. C. Análise de impactos em áreas propensas a desertificação em municípios do Estado do Ceará. 2010.

RODRIGUES, M. I. V.; LIMA, V. P. S.; MAYORGA, M. I. O.; FILHO, F. C. Análise de impactos em áreas propensas à desertificação em municípios do Estado do Ceará. 2ª Conferência Internacional: clima, sustentabilidade e desenvolvimento em Regiões Semiáridas. Fortaleza, 2010.

SANCHA A. V.; VARELA M. L.; DUTRA R. P. S.; NASCIMENTO DO R. M.; PASKOCIMAS C. A.; FORMIGA, F. L. A minimização dos impactos ambientais causados pela produção de cerâmica vermelha com utilização da análise racional para formulações de massa. Cerâmica Industrial, 11, págs. 39-41, 2006.

SCALCO, JHEYNNE PEREIRA. Caracterização dos impactos ambientais da Indústria oleira e mineração na sub-bacia do Ribeirão jacutinga – municípios de Rio Claro e Corumbataí (SP). (Mestrado em Geociências e Meio Ambiente) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Rio Claro- SP, 137 págs. 2012.

SEBRAE. CERÂMICA VERMELHA Panorama do mercado no Brasil. Boletim de inteligência. 2015.

SEBRAE. Cerâmica vermelha: Estudos de mercado. SEBRAE/ ESPM. Relatório completo. 2008.

SEBRAE. Manual de Licenciamento Ambiental: guia de procedimento passo a passo. Rio de Janeiro: 2004.

SEMACE. Plano de controle da poluição por veículos em uso- PCPV. Fortaleza, 2011.

Publicado
2020-05-12
Como Citar
Temoteo da Silva, N., & de Moraes, J. L. (2020). ANÁLISE DE IMPACTO AMBIENTAL OCASIONADO PELAS CERÂMICAS VERMELHAS NO DISTRITO DE PONTA DA SERRA, CRATO - CE. Ciência E Sustentabilidade, 5(2), 141-165. https://doi.org/10.33809/2447-4606.522019141-165