Lugar de fala, representações e representatividade de mulheres e LGBTQ+ na Biblioteconomia a partir das ações extensionistas e de pesquisa no Brasil

  • Denise Braga Sampaio Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
  • Izabel França de Lima Professora adjunta da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Docente do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação (PPGCI/(UFPB). Doutora em Ciência da Informação, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Mestre em Educação, pela UFPB. Especialista em Gestão de Unidades de Informação, pela UFPB. Bacharel em Biblioteconomia e Administração, pela UFPB.

Resumo

Trata das interações das graduações em biblioteconomia com a prática extensionista como campo mediador entre o devir do graduando e do docente e as demandas sociais advindas das comunidades sub-representadas, especialmente as ligadas a gênero (mulheres e LGBT). Objetiva-se refletir sobre as possibilidades descortináveis da profissão, e dos estudos que dela derivam, sobre a atuação da área em relação às comunidades sub-representadas, em uma perspectiva de gênero. Extensivamente, objetiva-se mapear os projetos de pesquisa e as ações extensionistas dos cursos de bacharelado em Biblioteconomia de Universidades Federais (UF) e Estaduais (UE) que digam respeito a gênero e sexualidade, para responder à questão ‘Como estão articuladas, a nível nacional, as ações extensionista e de pesquisa da Biblioteconomia voltadas à temática de gênero e sexualidade?’. Utiliza-se, desta forma, da pesquisa documental, por meio da busca de ações extensionistas ligadas à temática nos sítios das Universidades Federais e Estaduais do Brasil, arrazoando os achados por intermédio da análise de conteúdo. Teve-se por resultado uma baixa incidência de ações extensionistas voltadas às comunidades LGBT e de mulheres, o que demonstra um olhar ainda fosco da área em relação ao seu papel como agente de modificação da realidade de grupos socialmente vulneráveis.

Biografia do Autor

Denise Braga Sampaio, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal da Paraíba, sob o fomento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Paraíba (Fapesq). Mestre em Ciência da Informação, pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Bacharel em Biblitoeconomia, pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo. Outras travessias, n. 5, Ilha de Santa Catarina, 2 sem. 2005.

BARDIN, Lawrence. Análise de conteúdo. São Paulo: Martins Fontes, 1977.

BIROLI, Flávia; MIGUEL, Luis Felipe. Gênero, raça, classe: opressões cruzadas e convergências na reprodução das desigualdades. Mediações - Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 20, n. 2, p. 27-55, jul./dez. 2015. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/24124 Acesso em: 5 jun. 2019.

BRILHANTE, Aline Veras Morais. O ‘macho’ nordestino em formação: sexualidade e relações de gênero entre adolescentes cearenses. 2015. 45 f. Monografia (Especialização em Sexualidade Humana) – AVM Faculdade Integrada, Fortaleza, 2015. Disponível em: https://www.avm.edu.br/docpdf/monografias_publicadas/posdistancia/53507.pdf. Acesso em: 27 jan. 2018.

BURKE, Peter. Uma história social do conhecimento: de Gutenberg a Diderot. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2003.

BUTLER, Judith. Bodies that matter: one the discursive limits of sex. Nova Iorque: Routledge, 1993.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

BUTLER, Judith. Lenguage, poder e identidad. Madrid: Síntesis, 1997.

ECO, Umberto. O nome da rosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2010.

FONSECA, Edson Nery da. A Biblioteconomia brasileira no contexto mundial. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1979.

FONSECA, Edson Nery da. Introdução à Biblioteconomia. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2007.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2003.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. 20. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GALVÃO, Rilmara Alencar. Representação da masculinidade nordestina no cinema brasileiro: uma análise dos signos identitários. UBI, 201-. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/galvao-rilmara-representacao-da-masculinidade-nordestina.pdf. Acesso em: 27 jan. 2019.

GARCIA, Joana Coeli Ribeiro. Profissão: Bibliotecário. In: [COMEMORAÇÃO DO DIA DO BIBLIOTECÁRIO PROMOVIDO PELO CFP/CRB15 E CENTRO ACADÊMICO DE BIBLIOTECONOMIA], João Pessoa, 12 mar. 2009. Palestra. João Pessoa, 2009. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/biblio/article/viewFile/3946/3111. Acesso em 18 dez. 2018.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOPINATHAN, Asha. Spotlight on Invisible Women. Science, v. 307, n. 5709, p. 522, jan. 2005. Disponível em: http://science-sciencemag-org.ez15.periodicos.capes.gov.br/content/307/5709/522.1. Acesso em: 18 dez. 2018.

GRANGEIRO, Glaucenilda da Silva. Nordeste viril: representações da masculinidade no cinema brasileiro. In: SEMINÁRIO NACIONAL GÊNEROS E PRÁTICAS CULTURAIS, 3., João Pessoa, 26-28 out. 2011. Anais... João Pessoa, 2011. Disponível em: http://www.itaporanga.net/genero/3/02/24.pdf. Acesso em: 27 out. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Estudos e pesquisas: informação demográfica e socioeconômica. Estudos e Pesquisas – Informação Demográfica e Socioeconômica, Rio de Janeiro, n. 38, jun. 2018. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf Acesso em: 08 dez. 2018.

LINDERMANN, Cátia; SPUDEIT, Daniela; CORRÊA, Elisa Cristina Delfini. Por uma biblioteconomia mais social: interfaces e perspectivas. Revista ACB, Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 707-723, dez. 2016. Disponível em: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1211. Acesso em: 08 dez. 2018.

MILANESI, Luís. Biblioteca. Cotia: Ateliê Editorial, 2002.

MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

NASCIMENTO, Maria Filomena Dias. Ser mulher na Idade Média. Textos de História, Madri (Espanha), v. 5, n. 1, p. 82-91, 1997. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/textos/article/viewFile/5807/4813. Acesso em: 18 dez. 2018.

PAULA, José Antônio de. A extensão universitária: história, conceito e propostas. Interfaces: Revista de Extensão, v. 1, n. 1, p. 05-23, jul./nov. 2013. Disponível em: https://www.ufmg.br/proex/revistainterfaces/index.php/IREXT/article/view/5/pdf. Acesso em: 26 jan. 2019.

PEREIRA, Cláudia. A cada 19 horas, uma pessoa LGBT é assassinada ou se suicida no Brasil. Estadão, 25 abr. 2018. Disponível em: https://emais.estadao.com.br/blogs/familia-plural/a-cada-19-horas-uma-pessoa-lgbt-e-assassinada-ou-se-suicida-no-brasil/. Acesso em: 8 dez. 2018.

PERROTI, Edmir. Sobre informação e protagonismo cultural. In: GOMES, Henriete Ferreira; NOVO, Hildenise Ferreira (org.). Informação e protagonismo social. Salvador: EDUFBA, 2017.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala. Belo Horizonte, Letramento, 2017.

SANTA ANNA, Jorge. Trajetória histórica das bibliotecas e o desenvolvimento dos serviços bibliotecários: da guarda informacional ao acesso. Rev. Dig. de Bib. e Ci. Inf., Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 138-155, jan. 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1585. Acesso em: 18 dez. 2018.

SILVA, Elieny do Nascimento. A responsabilidade social da biblioteconomia nas ações de extensão universitária. 2018. 249 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/25357. Acesso em: 26 jan. 2019.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

VALÉRIO, Erinaldo Dias; SANTOS, Raimunda Fernanda. O ensino das práticas de organização e tratamento da informação étnico-racial e sobre a diversidade de gênero frente à formação do (a) bibliotecário (a). ConCI: Conv. Ciênc. Inform., São Cristóvão/SE, v. 1, n. 2, Ed. Especial, p. 210-217, maio/ago. 2018. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/conci/article/download/10278/7875. Acesso em 26 jan. 2019.

VINHAL, Gabriela. Em 2018, 153 pessoas LGBTQi já foram mortas no Brasil vitimas de preconceito. Correio Brasiliense, 17 maio 2018. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2018/05/17/interna-brasil,681236/em-2018-153-pessoas-lgbti-foram-mortas-no-brasil-vitimas-de-preconcei.shtml. Acesso em: 27 jan. 2019.

Publicado
2019-07-18
Como Citar
SAMPAIO, D. B.; LIMA, I. F. DE. Lugar de fala, representações e representatividade de mulheres e LGBTQ+ na Biblioteconomia a partir das ações extensionistas e de pesquisa no Brasil. Folha de Rosto, v. 4, n. 1, p. 34-49, 18 jul. 2019.