Fontes de informação em patentes

análise das características das bases Derwent Innovations Index, ORBIT, INPI, Google Patents e PatentScope com base na produção tecnológica da UFRGS

Resumo

A pesquisa explora as diferentes bases de dados depositantes de patentes — importantes fontes de informação para a realização de estudos patentométricos — e propõe-se a investigar as características inerentes ao processo de coleta e recuperação de patentes depositadas nas bases de dados Derwent Innovations Index, Orbit, INPI, Google Patents e PatentScope. Compreende a necessidade de discriminar as diferenças nessas bases de dados a partir de um único objeto de estudo, reunido na produção intelectual da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). De caráter qualitativo-descritivo, o estudo tem por objetivo explorar as bases de dados mencionadas. A busca e a recuperação dos dados das patentes depositadas pela UFRGS e indexadas nas bases ocorreu pela utilização variada do nome da universidade, visando a abranger o maior número de registros possível. Observou-se que as bases de dados analisadas apresentaram características distintas umas das outras. A DII e a Orbit exibiram o maior número de registros recuperados, porém a DII recuperou registros indexados de forma incorreta. O INPI foi a base com o número de registros mais fidedigno à Universidade, da mesma forma que a PatentScope. O Google Patents ficou muito aquém das expectativas, não servindo como uma boa fonte de dados para o tipo de pesquisa realizado, pois não indexa o escritório brasileiro. Conclui-se que é necessário examinar atentamente a fonte de informação antes de realizar um estudo de cunho patentométrico, pois existem divergências e características singulares entre as bases de dados.

Biografia do Autor

Ana Maria Mielniczuk de Moura, UFRGS
Profa. Dra. do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Infomração
Fernanda Bochi dos Santos, UNESP
Doutorando em Ciência da Informação
Ana Paula Medeiros Magnus, UFRGS
Mestre em Comunicação e Informação
Letícia Angheben El Ammar Consoni, UFRGS
Mestre em Comunicação e Informação
Rene Faustino Gabriel Junior, UFRGS

Prof. Dr. do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Infomração

Referências

ARAÚJO, V. M. R. H. A patente como ferramenta da informação. Ciência da Informação, v. 10, n. 2, p. 27-32, 1981.

BRASIL. Decreto nº 8.777, de 11 de maio de 2016. Institui a Política de Dados Abertos do Poder Executivo federal. Brasília: Presidência da República, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8777.htm. Acesso em: 31 ago. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Índice Geral de Cursos (IGC). Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/indice-geral-de-cursos-igc-. Acesso em: 09 set. 2018.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Secretaria de Tecnologia da Informação. RPI de Patentes (a partir de 31/Jan/2017). Brasília: Portal Brasileiro de Dados Abertos, 2017.

CALDAS, M. S.; SILVA, E. C. C. Fundamentos e aplicação do Big Data: como tratar informações em uma sociedade de yottabytes. Revista Bibliotecas Universitárias: Pesquisa, Extensão e Perspectiva, v. 3, n. 1, p. 65-85, jan./jun. 2016.

CLARIVATE ANALYTICS. Derwent World Patents Index. [S.l.]: Clarivate Analytics, 2017.

CONSONI, L. A. E. A. Produção tecnológica em biodiesel: análise das características dos depósitos de patentes indexadas na Derwent Innovations Index entre 1983 e 2015. 2017. 193 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informações, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

CONSONI, L. A. E. A.; MOURA, A. M. M. Patentes de biodiesel indexadas na derwent innovations index entre 2008 e 2009: primeiras considerações. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 17., Salvador, 2016. Anais [...] Salvador: ANCIB, 2016.

CUNHA, M. B. Para saber mais: fontes de informação em ciência e tecnologia. Brasília: Briquet de Lemos, 2001.

FRANÇA, R. O. A patente. In: CAMPELLO, B. S; CENDÓN, B. V.; KREMER, J. M. (Org.). Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: UFMG, 2000. cap. 12, p. 152-182.

GARCIA, J. C. R. Os paradoxos da patente. DataGramaZero, v. 7, n. 5, p. A04-0, 2006. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/v/a/4129. Acesso em: 20 jun. 2018.

GHESTI, G. F. (coord.). Tutorial de busca nos principais bancos de patentes. Brasília: Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília, 2016.

GOOGLE. About Google Patents. [S.l.]: Google, c2018. Disponível em: https://support.google.com/faqs/answer/6390996. Acesso em: 04 jan. 2018.

JAGHER, T. Busca em banco de dados de patentes. Curitiba: Agência de Inovação UTFPR, [2010?]. Disponível em: http://www.utfpr.edu.br/medianeira/estrutura/diretorias/direc/downloads/PROCEDIMENTOPARAPESQUISAUMAPATENTE.pdf. Acesso em: 09 set. 2018.

MAGNUS, A. P. M. Produção tecnológica e científica: panorama das patentes e artigos dos pesquisadores dos Programas de Pós-Graduação do Instituto de Química da UFRGS. 2018. 156 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

MARICATO, J. O. M.; NORONHA, D. P. Coclassificação em artigos e patentes em biodiesel. Liinc em Revista, v. 9, n. 1, p. 85-102, 2013.

MONTEIRO, S. D. Sistemas de recuperação da informação e o conceito de relevância nos mecanismos de busca: semântica e significação. Encontros Bibli, v. 22, n. 50, p. 161-175, 2017.

MOURA, A. M. M.; ROZADOS, H. B. F.; CAREGNATO, S. E. E. Interações entre ciência e tecnologia: análise da produção intelectual dos pesquisadores-inventores da primeira carta-patente da UFRGS. Encontros Bibli, v. 11, n. 22, p. 1-15, 2006.

MUELLER, S, P. M.; PERUCCHI, V. Universidades e a produção de patentes: tópicos de interesse para o estudioso da informação tecnológica. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 19, n. 2, p. 15-36, abr./jun. 2014.

OKUBO, Y. Bibliometric indicators and analysis of research systems: methods and examples. Paris: OECD, 1997. (OECD Science, Technology and Industry Working Papers, 1997/01).

SOUTO, L. F. Recuperação de informações em bases de dados: usos de tesauro. Transinformação, v. 15, n. 1, p. 73-81, jan./abr. 2003.

SOUZA, R. R. Sistemas de recuperação de informações e mecanismos de busca na web: panorama atual e tendências. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 11, n. 2, p. 161-173, maio/ago. 2006.

SPINAK, E. Indicadores cienciométricos de patentes: aplicaciones y limitaciones. Madrid: [s.n.], mar. 2003. Disponível em: http://www.ricyt.edu.ar/interior/normalizacion/III_bib/Spinak.pdf. Acesso em: 01 ago. 2018.

WETHERBEE, I. Google Patents Public Datasets: connecting public, paid, and private patent data. [S.l.]: Google, 2017. Disponível em: https://cloud.google.com/blog/products/gcp/google-patents-public-datasets-connecting-public-paid-and-private-patent-data. Acesso em: 09 set. 2018.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. PatentScope. [S.l.]: PatentScope, 2018. Disponível em: https://patentscope.wipo.int/search/pt/search.jsf. Acesso em: 31 ago. 2018.

Publicado
2020-01-05
Seção
Artigos