Práticas informacionais na web social e os influenciadores digitais

uma análise espaço-temporal dos YouTubers brasileiros

  • Priscilla Nunes Peixoto Universidade Federal de Alagoas (UFAL)
  • Ronaldo Ferreira de Araújo Universidade Federal de Alagoas (UFAL)
Palavras-chave: influenciadores digitais, práticas informacionais, mediação da informação, Youtube, web social

Resumo

A cultura dos influenciadores digitais tem sido investigada por diversas interpretações, visto que esses indivíduos, além da relação direta que mantêm com as plataformas nas quais atuam, carregam consigo elementos de ordem psicológica, social, cultural e econômica. Esta pesquisa consiste em analisar os influenciadores digitais na plataforma YouTube sob a perspectiva das práticas informacionais, buscando compreender o seu desempenho perante o público ao longo do tempo. Utilizando o método descritivo-exploratório, realiza uma análise empírica do desempenho dos principais Youtubers brasileiros, a partir de indicadores de desempenho de métricas de mídias sociais de um grupo de vídeos dos seus canais na plataforma. Concluiu-se que a influência social promove o surgimento de novos significados que são reformulados de acordo com o contexto atual.

Biografia do Autor

Priscilla Nunes Peixoto, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Mestra em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Alagoas (PPGCI/UFAL); Especialista em Gestão de Marketing pela Universidade Cândido Mendes (UCAM/RJ) e Bacharela em Relações Públicas pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

Ronaldo Ferreira de Araújo, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Doutor em Ciência da Informação (2015) e Mestre em Ciência da Informação (2009) pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Possui graduação em Ciência da Informação (2006) pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Foi professor visitante no Departamento de Jornalismo e Ciências da Comunicação da Universidade do Porto (2012). É Professor Adjunto do Curso de Biblioteconomia do Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes (ICHCA), Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Professor e Vice-Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI/UFAL) e Professor do Programa de Pós-Graduação em Gestão e Organização do Conhecimento da Universidade Federal de Minas Gerais (PPG-GOC/UFMG). Líder do Laboratório de Estudos Métricos da Informação na Web (Lab-iMetrics) e do Grupos de Pesquisa em Política e Tecnologia da Informação e Comunicação (GPoliTICs). Pesquisador do Instituto Nacional de Ciência & Tecnologia em Democracia Digital (INCT-DD). Editor do periódico científico Ciência da Informação em Revista. Consultor Ad Hoc da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (FAPEAL). Áreas de interesse: Estudos métricos da informação na web; Cibermetria; Altmetria; Mediação da informação em ambientes digitais; Internet e Política; Regime de informação em contextos digitais.

Referências

ABRÃO, Jorge Antônio de Moraes; ROMANINI, Vinícius. A interação simbólica na era digital: entendendo redes sociais com Peirce e Blumer. Ciências da comunicação 3, [S. l.; s. n.], 2019. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/324702803_A_INTERACAO_SIMBOLICA_NA_ERA_DIGITAL. Acesso em: 9 abr. 2021.

AGUIAR, Maria Sissy Cerqueira. Geração Z e o Mercado de Identidades. 2019. 23f. Relatório de Conclusão de Curso (Bacharelado em Comunicação Social Habilitação em Produção em Comunicação e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/30005/2/MEMORIAL%20SISSY%20-%20revisado%20p%C3%B3s%20banca.pdf. Acesso em: 3 maio. 2020.

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Mediação da informação: um conceito atualizado. In: BORTOLIN, Sueli; SANTOS NETO, João Arlindo dos; SILVA, Rovilson José da. (org.). Mediação oral da informação e da leitura. Londrina: ABECIN, 2015. p. 9-32.

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Os estudos em práticas informacionais no âmbito da Ciência da Informação. In: ALVES, Edvaldo Carvalho; BRASILEIRO, Fellipe Sá; CÔRTES, Gisele Rocha; MELO, Daniella Alves de. Práticas informacionais: reflexões teóricas e experiências de pesquisa. João Pessoa: UFPB, 2020. p. 18-76. Disponível em: http://www.editora.ufpb.br/sistema/press5/index.php/UFPB/catalog/book/769. Acesso em: 28 fev. 2021.

ARAUJO, Ronaldo Ferreira. Os estudos cibermétricos da informação: das estruturas web aos recursosda web social. In: ARAUJO, Ronaldo Ferreira. (org.). Estudos métricos da informação na web: atores, ações e dispositivos informacionais. Maceio: Edufal, 2015. p. 17-36.

APEX. O Raio-X dos influenciadores digitais no Brasil. Disponível em: https://apexconteudo.com.br/influenciadores-digitais-no-brasil/. Acesso em: 16 jul. 2020.

ASCH, Solomon Eliot. Social psychology. New York: Prentice-Hall, 1952.

BACKES, Suelen. Produção e consumo de vídeos on-line: análise de práticas e técnicas para o desenvolvimento de influenciadores digitais profissionais a partir do YouTube. 2019. 242f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019. Disponível em: https://tede2.pucrs.br/tede2/bitstream/tede/8635/2/SUELEN_BACKES_DIS.pdf. Acesso em: 9 abr. 2022.

BORTOLIN, Sueli; SANTOS NETO, João Arlindo dos. Mediação Oral da Informação: a visibilidade dos mediadores da Ciência da Informação. In: BORTOLIN, Sueli; SANTOS NETO, João Arlindo dos; SILVA, Rovilson José da. (org.). Mediação oral da informação e da leitura. Londrina: ABECIN, 2015. p. 33-58.

KARHAWI, Issaaf. Influenciadores digitais: o Eu como mercadoria. In: SAAD-CORRÊA, Elizabeth; SILVEIRA, Stefanie C. Tendências em Comunicação Digital. São Paulo: ECA-USP, 2016. p. 38-58. Disponível em: https://repositorio.usp.br/directbitstream/082823e1-ce1c-4958-8093-3c58b6895a2c/002785539.pdf. Acesso em: 9 abr. 2022.

KOTLER, Philip. Administração de Marketing. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

KOTLER, Philip; KARTAJAYA, Hermanwan; SETIWAN, Iwan. Marketing 4.0: do tradicional ao digital. Rio de Janeiro: Sextante, 2017.

LUZ, Thianne Passos. O Processo de influência social entre influenciadoras digitais de moda e suas seguidoras na plataforma de rede social instagram. 2019. 152f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/bitstream/ri/30094/3/Disserta%c3%a7%c3%a3o_Thianne_%20Luz_2019_PPGPSI_UFBA..pdf. Acesso em: 9 abr. 2022.

MARQUES, Lidiany Kelly da Silva; VIDIGAL, Frederico. Prosumers e redes sociais como fontes de informação mercadológica: uma análise sob a perspectiva da inteligência competitiva em empresas brasileiras. Transinformação, [online], v. 30, n.1, p.1-14, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tinf/a/YhT8zJ3F9nc9pSrYB8DvTRC/abstract/?lang=pt. Acesso em: 9 abr. 2022.

MARTELETO, Regina Maria. Cultura informacional: construindo o objeto informação pelo emprego dos conceitos de imaginário, instituição e campo social. Ciência da Informação, Brasília, v. 24, n.1, p. 89-93, 1995. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/613. Acesso em: 9 abr. 2022.

SAVOLAINEN, Reijo. Information Behavior and Information Practice: Reviewing the "Umbrella Concepts" of Information-Seeking Studies. Library Quarterly, Chicago, v. 77, n. 2, p. 109-132. 2007. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/10.1086/517840. Acesso em: 9 abr. 2022.

SGORLA, Fabiane. Discutindo o “processo de midiatização”. Mediação, Belo Horizonte, v. 9, n. 8, p. 59-68, jan./jun., 2009. Disponível em: http://www.fumec.br/revistas/mediacao/article/view/285. Acesso em: 9 abr. 2022.

SOUZA, Rogério Furlan de. Narrativa audiovisual, youtubers e a autopromoção do indivíduo mídia no ambiente hipermidiático. 2018. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Escola de Comunicação, Educação e Humanidades da Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2018.

SUZUKI, Akira. Hoje, o tempo de atenção de um humano é menor que o de um peixinho-dourado. 2015. Disponível em: https://www.tecmundo.com.br/comportamento/80090-tempo-atencao-humano-menor-o-de-um-peixinho-dourado.htm#. Acesso em: 4 mar. 2021

Publicado
2022-04-29
Como Citar
PEIXOTO, P. N.; ARAÚJO, R. F. DE. Práticas informacionais na web social e os influenciadores digitais: uma análise espaço-temporal dos YouTubers brasileiros. Folha de Rosto, v. 8, n. 1, p. 162-187, 29 abr. 2022.