Práticas informacionais e engajamento na Web

uma análise sobre Beyoncé e o impacto de sua popularidade no processo de disseminação de informação antirracista

  • Gláucia Aparecida Vaz Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Beatriz Gonçalves Nogueira dos Santos Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Beyoncé, práticas informacionais nas redes sociais, informação antirracista

Resumo

O presente estudo expõe a importância da luta antirracista a partir da compreensão de que a raça é uma produção sócio-histórica e cultural, geradora da marginalização de populações negras e que causa desigualdade social. No contexto das práticas informacionais, aponta-se a importância e possibilidades de articulações antirracistas a partir da análise da artista estadunidense Beyoncé Giselle Knowles-Carter, buscando avaliar o impacto de sua popularidade no processo de disseminação da informação antirracista, partindo dos conceitos de análise das práticas informacionais e do conceito de engajamento na web, com o intuito de avaliar a importância de suas produções para a luta antirracista devido à sua popularidade e influência internacional. Ao se partir dos conceitos de análise das práticas informacionais e de engajamento na web, os recortes de análise escolhidos foram suas apresentações no Coachella e o videoclipe e letra da música Formation. Durante a análise foram percebidas importantes referências à cultura negra e à luta antirracista, surtindo expressivos engajamentos como curtidas, visualizações e comentários de seguidores da artista nas redes sociais.

Biografia do Autor

Gláucia Aparecida Vaz, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutora e Mestra em Ciências da Informação, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Bacharela em Biblioeconomia, pela UFMG. Coordena projetos para implementação da lei 10.639/2003 no sistema de ensino. Fundadora do portal de educação Atirracista “Insurgências Negras.

Beatriz Gonçalves Nogueira dos Santos, Universidade de São Paulo (USP)

Graduanda em Biblioteconomia, pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Pesquisadora a nível de Iniciação Científica pela USP sobre "Termos específicos presentes em romances de autoras negras brasileiras: visibilidade e antirracismo por meio de tesauros". Auxiliar de Biblioteca no Geledés: Instituto da Mulher Negra.

Referências

ALMEIDA, Marcos Inácio Severo de et al. Quem lidera sua opinião? Influência dos formadores de opinião digitais no engajamento. RAC: revista de administração contemporânea, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, art. 6, p. 115-137, jan./fev. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rac/a/MXTSzjGmKNbzM4DpxHcPRbK/abstract/?lang=pt. Acesso em: 11 abr. 2022.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

ALMEIDA, Silvio Luiz de; BATISTA, Waleska Miguel. Teoria Racial e do Direito: Aspectos da condição do negro nos Estados Unidos da América. Quaestio Iuris, vol. 14, n. 3, Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/quaestioiuris/article/view/50656. Acesso em: 10 fev. 2022.

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. Paradigma social nos estudos de usuários da informação: abordagem interacionista. Informação & Sociedade: estudos, João Pessoa, v. 22, 198 n.1, p. 145-159, 2012. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/9896. Acesso em: 11 abr. 2022.

BARRETO, Raquel. Partido dos Panteras Negras, história, gênero e poder. Fronteiras & Debates, v. 5, n. 1, jan./jun. 2018. Disponível em: https://periodicos.unifap.br/index.php/fronteiras/article/view/4524. Acesso em: 10 fev. 2022.

CALDER, Bob J.; MALTHOUSE, Edward C.; MALOSWKA, Ewa. Brand marketing, big data and social innovation as future research directions for engagement. Journal of Marketing Management, v. 32, n. 3/6, p. 579-585, 2016. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/0267257X.2016.1144326 Acesso em: 22 abr. 2022.

CARDOSO, Lourenço. Branquitude acrítica e crítica: A supremacia racial e o branco anti-racista. Rev.latinoam.cienc.soc.niñez juv, Manizales, v. 8, n. 1, p. 607-630, jan. 2010. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1692-715X2010000100028&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 fev. 2022.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo Editorial, 2019.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto. Novos paradigmas e novos usuários de informação. Ciência da informação, Brasília, v. 25, n. 2, maio/ago. 1995. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/660. Acesso em: 11 abr. 2022.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GOLZIO, Derval Gomes. Exclusão informativa: representação e representatividade dos negros e afrodescendentes nas capas da revista Veja. In: FIDALGO, António; SERRA, Paulo. (org.). Visões disciplinares. Covilhã: Serviços Gráficos da Universidade da Beira Interior, 2007, v. III, p. 491-498.

GONZÁLES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

MOREIRA, Eduardo. A audiência do Super Bowl 50, o segundo mais visto da história. Disponível em:http://www.spinoff.com.br/a-audiencia-do-super-bowl-50/. Acesso em: 10 fev. 2022.

SILVA, Paulo Vinicius Baptista. Personagens negros e brancos em livros didáticos de Língua Portuguesa. In: 29a. Reunião Anual da Anped, 2006, Caxambu. 29a. Reunião Anual da ANPED. Rio de Janeiro: ANPED, 2006. v. 1. p. 2. Disponível em: http://29reuniao.anped.org.br/trabalhos/trabalho/GT21-1808--Int.pdf. Acesso em: 11 abr. 2022.

VERIETY MAGAZINE. Work in progress, n. 3, may, 2018.

Publicado
2022-04-29
Como Citar
VAZ, G. A.; SANTOS, B. G. N. DOS. Práticas informacionais e engajamento na Web: uma análise sobre Beyoncé e o impacto de sua popularidade no processo de disseminação de informação antirracista. Folha de Rosto, v. 8, n. 1, p. 207-226, 29 abr. 2022.