Práticas informacionais no Portal Geledés

histórias e representações sobre mulheres negras

  • Patrícia Saldanha Rede Marista
  • Rodrigo Silva Caxias de Sousa Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Marcia Heloisa Tavares de Figueredo Lima Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Palavras-chave: práticas informacionais, produção de informação, compartilhamento de informação, representações sociais, mulheres negras, portal Geledés

Resumo

Analisa o conteúdo produzido e compartilhado nas postagens sobre as mulheres negras na plataforma digital Geledés – Instituto da Mulher Negra. Descreve a importância em discutir como as mulheres são representadas naquele portal e pretende evidenciar o papel social da informação, a fim de oportunizar as discussões para a transformação das condições em que vivem os sujeitos. Discute a presença da temática racial e de gênero no âmbito da Ciência da Informação (CI) ao tratar das práticas informacionais, na sua imbricação entre a informação e os sujeitos que a produzem e disseminam, assim como as relações de poder que se revelam a partir de apagamentos e silenciamentos de identidades de grupos sociais. Trata-se de uma pesquisa de natureza básica, exploratória-descritiva e abordagem qualitativa que busca contribuir para a reflexão no âmbito social e promover discussões sobre a representação das mulheres negras nas postagens publicadas no portal. Emprega a metodologia da Análise de Conteúdo de Bardin para postagens que tratam de temáticas referentes às questões de raça e gênero, suas intersecções e, como se evidenciam neste portal. Objetiva compreender como são constituídas as representações sociais sobre mulheres negras a partir postagens compartilhadas no portal Geledés. A análise de conteúdo foi efetivada a partir  das  etapas de leitura, compreensão, agrupamento e codificação dos conteúdos produzidos de acordo com as categorias de análise emergidas do corpus da pesquisa que evidenciaram as práticas informacionais na web na forma de interação desses sujeitos no  espaço, com o uso de diferentes hipermídias como possibilidade de ampliar e validar os seus discursos sobre as mulheres negras que se valeram de experiências e diferentes relatos, fossem depoimentos, notícias, entrevistas. Utiliza outras linguagens comunicacionais como alternativa de ampliação do conhecimento e ratificação das suas falas sobre a representação das mulheres negras. O estudo exploratório na web evidenciou a manifestação dessas mulheres em um espaço não somente de partilha, mas de proposição de novos discursos em que se permitem visibilizar  as vozes das mulheres, ao narrar as experiências de uma representação social instituída que naturaliza histórica e cotidianamente um lugar negro e feminino de subjugação  para  contrapor essa representação a uma nova, estruturada em um pensamento coletivo a partir de relatos que firmam nesse espaço coletivo e transversal uma identidade coletiva e solidária, para revelar e construir alicerces às suas subjetividades e igualdade de direitos.

Biografia do Autor

Patrícia Saldanha, Rede Marista

Mestra em Ciência da Informação, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Especialista em Supervisão Escolar e Orientação Educacional, pelo Centro Universitário Ritter dos Reis (UNIRITTER). Especialista em Bibliotecas Escolares e Acessibilidade, pela UFRGS. Especialista em Literatura Infanto-juvenil, pelas Faculdades Porto-Alegrenses (FAPA). Bacharela em Biblioteconomia, pela UFRGS.

Rodrigo Silva Caxias de Sousa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professor Adjunto III do Departamento de Ciências da Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. (2000). Mestre em Educação pela Universidade de Passo Fundo (2003). Doutor em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2011). Atuou em bibliotecas escolares, universitárias e centros de informação. Consultor em Informação e Documentação na empresa GLT Informação e Documentação. Tem experiência em bibliotecas comunitárias, escolares e universitárias, atuando nos setores de multimeios referência e processamento técnico.

Marcia Heloisa Tavares de Figueredo Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professora adjunta do Departamento de Ciências da Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2016-), área de Usos e Usuários da Informação e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação UFRGS (2018-). Professora associada aposentada (Universidade Federal Fluminense – 1994-2016), atuou na docência dos cursos de Arquivologia, Biblioteconomia (1994-2016) e Mestrado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação – PPGCI/UFF (2009-2016). É bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1982), especialista em Informação Ambiental pela Universidade Federal de Viçosa (1984), mestre (1994) e doutora (2004) em Ciência da Informação pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro em convênio com o IBICT. Realizou estágio pós-doutoral no Centro Brasileiro de Pesquisas da Democracia da PUC/RS em 2013 com pesquisa financiada pelo CNPq acerca das consequências da LAI sobre a produção brasileira acerca do direito à informação no domínio do Direito, tendo produzido trabalho premiado no GT1 do XIV Enancib. Tem experiência no ensino, pesquisa e extensão na área de Ciência da Informação. Coordenou o grupo de pesquisa “Do Direito à Informação à Informação sobre os direitos” junto à UFF e participa dos grupos Representações, Memória Social e Cidadania e Epistemologia e Filosofia da Informação, ambos da UFRGS.

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019. (Coleção Feminismos Plurais).

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. O que é Ciência da Informação, Informação & Informação, v.19, n. 1, 2014. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/15958. Acesso em: 17 mar. 2020. DOI: 10.5433/1981-8920.2014v19n1p01

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

CARY, Naomi. Nasce uma heroína: Nora Darling, a mulher negra e a reinvenção do amor. In: Portal Geledés, 25 out. 2019. Disponível em: https://www.geledes.org.br/nasce-uma-heroina-nola-darling-a-mulher-negra-e-a-reinvencao-do-amor/ Acesso em: 11 abr. 2022.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: HOLANDA, Heloísa Buarque. (org.). Pensamento Feminista: Conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, v.17 n. 49, São Paulo, set./dez, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ea/v17n49/18400.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1 jan./abr., 2016. DOI: Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0102-69922016000100099&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 set. 2020.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento Feminista negro: o poder da autodefinição. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. (org.). Pensamento Feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, v. 10, n.1, 1º sem., 2002, p. 171-188. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.

CRUZ, Ana Paula Batista da Silva. Minha produção de conhecimento histórico é contaminada pela condição de mulher negra e quilombola. In: Portal Geledés, 03 mar. 2020. Disponível em: https://www.geledes.org.br/minha-producao-de-conhecimento-historico-e-contaminada-pela-condicao-de-mulher-negra-e-quilombola/ Acesso em: 11 abr. 2022.

FERREIRA, Emanuelle Geórgia Amaral; ABREU, Flávia Ferreira; LIMA, Gracirlei Maria Carvalho de; SÁ, Jéssica Patrícia Silva de. A construção do conceito de práticas informacionais pelos pesquisadores do EPIC, Informação em Pauta, v. 4 , n. esp., maio. 2018. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/41077/pdf. Acesso em 17 ago. 2020.

GELEDÉS. Geledés e a Comunicação: memória Institucional. In: Comunicação, Memória Institucional, O que fazemos?. 2009. Disponível em: https://www.geledes.org.br/geledes-e-a-comunicacao-memoria-institucional/. Acesso em: 06 mar. 2020.

GELEDÉS. Geledés: Missão Institucional. 2016. Disponível em: https://www.geledes.org.br/geledes-missao-institucional/. Acesso em: 10 nov. 2019.

MARTELETO, Regina Maria. Redes sociais, mediação e apropriação de informações: situando campos, objetos e conceitos na pesquisa em ciência da informação, Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, Brasília, v. 3, n.1, p. 27-46, jan./dez. 2010. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/article/download/13080. Acesso em: 04. set. 2020.

MASSONI, Fernando Herbert; MORIGI, Valdir José. Ética e teoria das representações sociais: uma discussão a partir da Ciência da Informação. LOGEION: Filosofia da informação, Rio de Janeiro, v. 4 n. 1, p.73-85, fev. 2018. Disponível em: http://revista.ibict.br/fiinf/article/view/4002/3334. Acesso em: 15 ago. 2020.

MELO, Daniella Alves de. Práticas informacionais e a construção da competência crítica em informação: um estudo na Bamidelê – Organização das mulheres negras de Paraíba, 2019. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/16348/1/arquivototal.pdf. Acesso em 17 mar. 2020.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. 5 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

OLIVEIRA, Iara Aparecida Silva de. Narrativa confessional: exercício de autoconhecimento como ato político. In: Portal Geledés, 11 nov. 2019. Disponível em: https://www.geledes.org.br/narrativa-confessional-exercicio-de-autoconhecimento-como-ato-politico. Acesso em: 11 abr. 2022.

OLIVEIRA, Joelma da Silva; et al. Mulheres e lugar de fala: caminhos percorridos. Convergências em Ciência da Informação. v. 2, n. 1, p. 23-41, jan./abr. 2019. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/conci/issue/view/806. Acesso em: 26 abr. 2022.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, v.11, n.2, jul/dez. 2008. p. 263 a 274 Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fcs//article/view/5247. Acesso em: 15 ago. 2020.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo: Pólen, 2019. (Coleção FeminismosPlurais).

SANTOS, Tainá Aparecida Silva. Poderia a história do Brasil ser contada a partir da trajetória das mulheres negras?. In: Portal Geledés, 26 fev. 2020. Disponível em: https://www.geledes.org.br/poderia-a-historia-do-brasil-ser-contada-a-partir-da-trajetoria-das-mulheres-negras/ Acesso em: 11 abr. 2022.

SAVOLAINEN, Reijo. Information behavior and information practice: reviewing the "umbrella concepts" of information-seeking studies, Library Quarterly, v. 77, n. 2, p109-132, abr. 2007.

SILVA, Marcos Antonio da. A técnica da observação nas ciências humanas. Educativa – Revista de Educação. Goiânia, v. 16, n. 2, p. 413-423, jul./dez. 2013. Disponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/educativa/article/view/3101/1889.Acesso em: 28 set. 2020.

SOARES, Joélcio Gonçalves; PEREIRA, Tiaro Katu; DIAS, Wolliver Anderson. Método da Observação: reflexões acerca de seu uso e formas de aplicação. 2011. Disponível em: https://www.academia.edu/4914317/M%C3%A9todo_da_Observa%C3%A7%C3%A3o_reflex%C3%B5es_acerca_de_seu_uso_e_formas_de_aplica%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 28 set. 2020.

Publicado
2022-04-29
Como Citar
SALDANHA, P.; SOUSA, R. S. C. DE; LIMA, M. H. T. DE F. Práticas informacionais no Portal Geledés: histórias e representações sobre mulheres negras . Folha de Rosto, v. 8, n. 1, p. 133- 161, 29 abr. 2022.