Possibilidades decoloniais para bibliotecas universitárias brasileiras

fortalecendo as práticas integradoras face a efetivação de ações antirracistas

  • Andreia Sousa da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina (UESC)
Palavras-chave: práticas integradoras, ações antirracistas, biblioteca universitária

Resumo

A proposta desse trabalho é apresentar as possibilidades de ações práticas antirracistas e decoloniais nas bibliotecas universitárias, tendo como objetivo relacionar a importância da efetivação das práticas integradoras da biblioteca universitária ao currículo face às relações étnico-raciais no ambiente acadêmico. A revisão da literatura que abrange o marco teórico, abarca a análise das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações étnico-raciais e o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, o que é apontado por teóricos da Biblioteconomia e da Ciência da Informação face às práticas antirracistas e a identificação dos aspectos que justificam a construção de uma educação antirracista tanto no ambiente de formação, como o de atuação nas bibliotecas como um todo. Por fim, entende-se a necessidade de uma compreensão ampla e crítica das práticas integradoras e seus desdobramentos no âmbito do delineamento das questões antirracistas que requerem a urgente incorporação de um plano estratégico que sustentaria diversas outras práticas biblioteconômicas mais inovadoras.

Biografia do Autor

Andreia Sousa da Silva, Universidade do Estado de Santa Catarina (UESC)

Mestra e Doutoranda em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGCIN/UFSC). Professora Assistente do Departamento de Biblioteconomia da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Bacharel em Biblioteconomia pela UDESC. Presidente da Associação Catarinense de Bibliotecários: Gestão 2021-2023. Pesquisadora associada do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade do Estado de Santa Catarina (NEAB-UDESC). Membro do Grupo de Pesquisa Organização do Conhecimento e Gestão Documental do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação e Membro do Grupo de Pesquisa Laboratório de Pesquisa em Informação Antirracista e Sujeitos Informacionais (ALAYE).

Referências

ALMEIDA JUNIOR, Oswaldo Francisco de. O bibliotecário é um profissional apolítico? In: SPUDEIT, Daniela Fernanda Assis de Oliveira; et. al. Formação e atualização política na Biblioteconomia. São Paulo: ABECIN Editora, 2018. p. 285-290. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/editora/article/view/213/188 Acesso em: 12 abr. 2022.

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. O que é Ciência da Informação. Belo Horizonte: KMA, 2018.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: MEC/SECAD, 2004. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/diversas/temas_interdisciplinares/diretrizes_curriculares_nacionais_para_a_educacao_das_relacoes_etnico_raciais_e_para_o_ensino_de_historia_e_cultura_afro_brasileira_e_africana.pdf Acesso em: 12 abr. 2022.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília, Presidência da República, 10 jan. 2003. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/. Acesso em: 10 fev. 2022.

CARDOSO, Francilene do Carmo. O Negro na Biblioteca: mediação da informação para a construção da identidade negra. Curitiba: CRV, 2015.

FONTES, Sandra Regina. Educação das Relações Étnico- raciais nas Bibliotecas Escolares da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. 2019. 144 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado Profissional em Gestão de Unidades de Informação, Programa de Pós Graduação em Gestão da Informação, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2019. Disponível em: https://www.udesc.br/arquivos/faed/id_cpmenu/1438/Sandra_Regina_Fontes_15840202631373_1438.pdf Acesso em: 12 abr. 2022.

GOMES, Elizângela. Afrocentricidade: discutindo as relações étnico-raciais na biblioteca. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, SC: v. 21, n. 3, p. 738-752, ago./nov. 2016. Disponível em: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1216 Acesso em: 01 fev 2022.

GOMES, Henriette Ferreira. Mediação da informação e protagonismo social: relações com vida ativa e ação comunicativa à luz Hannah Arendt e Jürgen Habermas. In: GOMES, Henrriette Ferreira; NOVO, Hildenise Ferreira. Informação e protagonismo social. Salvador: EDUFBA, 2017.

SILVA, Andréia Sousa da; SILVA, Eduardo Valadares da; OGÉCIME, Mardochée. Práticas integradoras da biblioteca escolar ao currículo face ao ensino da história e culturas africanas e afro-brasileiras. In: SILVA, Franciéle Carneiro Garcês da. (org.). Bibliotecári@s negr@s: Pesquisas e experiências de aplicação da Lei 10.639/2003 na formação bibliotecária e nas bibliotecas. Florianópolis: Rocha Gráfica e Editora (Selo Nyota), 2020. p. 21-44. Disponível em: https://www.nyota.com.br/_files/ugd/c3c80a_1e81c9b20f484fbbaeac95f1471d0832.pdf. Acesso em: 12 abr. 2022.

VALÉRIO, Erinaldo Dias. A formação política do(a) bibliotecário(a) no campo das relações raciais. In: Daniela Fernanda Assis de Oliveira; et. al. Formação e atualização política na Biblioteconomia. São Paulo: ABECIN Editora, 2018. p. 269-283. Disponível em: https://portal.abecin.org.br/editora/article/view/213/188. Acesso em: 12 abr. 2022.

Publicado
2022-04-29
Como Citar
SILVA, A. S. DA. Possibilidades decoloniais para bibliotecas universitárias brasileiras: fortalecendo as práticas integradoras face a efetivação de ações antirracistas. Folha de Rosto, v. 8, n. 1, p. 121-132, 29 abr. 2022.